Forgot your password?

Inscreva-se

A Cannabis Pode Ajudar a Combater a Ansiedade?

Ansiedade e o Sistema Endocanabinoide

A cannabis pode ser útil para reduzir sua ansiedade? Embora a pesquisa sobre esse tema esteja em andamento, já está claro que a planta é capaz de alterar os níveis de estresse.

Isso se deve principalmente à maneira como a cannabis interage com o sistema endocanabinoide natural do seu corpo. Este é composto por três partes principais: endocanabinoides, receptores e enzimas. Os endocanabinoides, moléculas muito semelhantes aos canabinoides (algumas das substâncias ativas na cannabis), são produzidos naturalmente em nosso corpo. Os endocanabinoides se ligam aos receptores endocanabinoides (conhecidos como receptores CB1 e CB2), os quais são encontrados em todo o corpo, na superfície das células. Isso ativa uma resposta em cadeia que mantém a homeostase interna (ou equilíbrio) do corpo e estimula muitas das funções mais importantes do organismo, como:

Assim, as enzimas desempenham o importante papel de quebrar os endocanabinoides e eliminá-los de nosso sistema.

Embora o sistema endocanabinoide deva funcionar sozinho em indivíduos saudáveis, com os receptores sendo estimulados por nossos endocanabinoides naturais, os canabinoides (alguns dos ingredientes ativos da cannabis) também podem estimular os receptores CB1 e CB2 para ativar seus efeitos. É assim que a cannabis fornece tantos efeitos medicinais e psicoativos em humanos e outros mamíferos.

Quando se trata de ansiedade, a ativação desses receptores pode ser particularmente útil, pois a sinalização do sistema endocanabinoide regula nossos níveis de estresse e ansiedade. Um estudo descobriu que a sinalização endocanabinoide determina o quanto nos afetarão os estímulos que evocam medo e o que entenderemos como uma resposta comportamental apropriada. Portanto não surpreende o fato de os pesquisadores terem notado que, quando a função endocanabinoide é prejudicada ou desregulada, ela pode levar ao desenvolvimento de transtornos de ansiedade. Teoricamente, é fácil compreender como a cannabis pode ajudar indivíduos com distúrbios de ansiedade eles são aliviados com a adição de canabinoides para estimular o sistema endocanabinoide.

Pesquisas sobre Ansiedade e Cannabis

É compreensível que a cannabis possa ajudar com a ansiedade e esta é, particularmente, uma das condições mais comuns tratadas atualmente com a planta. Na América do Norte, por exemplo, este é um dos cinco principais sintomas que levam ao tratamento com cannabis. Ainda assim, é importante analisar a pesquisa para entender se o uso de cannabis está realmente ajudando as pessoas com transtornos de ansiedade.

Algo descoberto pelos pesquisadores é que a ingestão de cannabis pode embotar a reação daqueles que sofrem estímulos estressantes. Em um estudo, os cientistas aplicaram testes de estresse, como por exemplo fazer cálculos em uma apresentação pública ou mergulhar as mãos na água gelada, com indivíduos que usavam ou não maconha. Usuários de cannabis relataram níveis mais baixos de estresse durante o teste do que os não usuários. Ainda mais interessante, os resultados dos testes mostraram que os usuários de cannabis tinham menos cortisol em seu sistema (um hormônio que indica estresse) do que aqueles que não usavam cannabis.

Em um estudo semelhante, os cientistas convidaram participantes com transtorno de ansiedade social generalizada para participar de um teste de estresse para falar em público. Alguns receberam um placebo de antemão, enquanto outros receberam uma dose de 600 mg de CBD (um canabinoide da cannabis). Aqueles que tomaram CBD previamente tiveram melhor resultado nas medidas subjetivas e fisiológicas de ansiedade do que aqueles que usaram o placebo.

Outros estudos mostraram que pacientes com dor crônica podem obter maior alívio a curto prazo dos sintomas de ansiedade ao tomar cannabis em lugar de um placebo. Infelizmente, muitos desses estudos apresentam problemas metodológicos que os desacreditam frente aos cientistas. Metanálises da literatura admitem que há alguma evidência de que a cannabis para uso medicinal possa ajudar a reduzir a ansiedade, mas alerta que ela é limitada.

Por outro lado, há estudos mostrando resultados na direção oposta.

Embora a cannabis possa aliviar a ansiedade, estudos mostram que ela também pode causá-la. Os usuários de cannabis sabem disso há muito tempo. Enquanto a cannabis às vezes parece gerar relaxamento, outras vezes parece induzir ansiedade e uma sensação de paranoia. Em alguns casos, isso tem sido associado à dosagem. Os mesmos canabinoides que aliviam a ansiedade em doses baixas, podem aumentá-la em doses mais altas. Para os principais canabinoides, THC e CBD, os estudos mostraram o que é chamado de efeitos bifásicos. Em outras palavras, a cannabis pode produzir efeitos opostos em doses diferentes. A dose que você toma pode ser a diferença entre uma experiência de indução de ansiedade ou de alívio de ansiedade.

Além desses efeitos imediatos da cannabis sobre a ansiedade, existem evidências que sugerem que o uso da cannabis pode piorar os sintomas de ansiedade ao longo do tempo. O relatório da Academia Nacional de Ciências de 2017 descreveu um estudo que acompanhou os entrevistados que relataram uso de cannabis por um período de três anos. Eles não encontraram correlações entre o uso de cannabis e a maioria dos transtornos de ansiedade, mas observaram um vínculo estatisticamente significativo entre o uso de cannabis em adultos mais velhos e o desenvolvimento de um transtorno de ansiedade social. Isso não se aplicava às populações mais jovens, portanto, não está claro se isso pode ser devido a diferenças fisiológicas da idade ou a fatores sociais relacionados ao estigma da cannabis que podem levar os usuários mais velhos a se retirarem dos ambientes sociais. De qualquer maneira, a Academia Nacional de Ciências relatou evidências moderadas de que o uso de cannabis poderia resultar em transtornos de ansiedade social em adultos mais velhos, e evidências limitadas de que isso poderia levar ao desenvolvimento de outro tipo de distúrbio.

A pesquisa sobre ansiedade tem sido limitada e um tanto inconclusiva em grande parte devido aos efeitos imprevisíveis da cannabis na ansiedade. Com alguns estudos mostrando resultados positivos e outros mostrando resultados negativos, pesquisadores e pacientes se perguntam quais fatores produzirão resultados positivos regularmente. Embora um fator seja claramente a dosagem, a cannabis também é uma planta extremamente diversificada e os produtos de marijuana para uso medicinal podem conter uma ampla variedade de diferentes substâncias químicas ativas. Dependendo da mistura específica de canabinoides e outros ingredientes ativos como terpenos e flavonoides (as outras substâncias químicas medicinalmente ativas da cannabis), você poderá experimentar efeitos muito diferentes a partir de sua cannabis.

Para confirmar essa teoria e aprimorar os melhores quimiotipos para o tratamento da ansiedade, os pesquisadores da Whistler Therapeutics, no Canadá, criaram um estudo testando quais cepas eram mais e menos eficazes no alívio da ansiedade. Este foi o primeiro (e único) estudo desse tipo, observando as diferenças nos efeitos relacionados à ansiedade com o uso de diferentes espécies.

Para isso, eles trabalharam exclusivamente com uma empresa que cultiva e vende sua própria cannabis, rastreando a composição química de cada cepa. Os pesquisadores incluíram 25 cepas e pesquisaram a reação de 442 pacientes frente a essas cepas específicas. Os entrevistados foram solicitados a classificar as cepas mais e menos eficazes para reduzir sua ansiedade. Em seguida, os pesquisadores compararam esses resultados da pesquisa com dois conjuntos de testes de laboratório independentes, mostrando a composição química das cepas revisadas.

Das cepas testadas (e lembre-se de que esta lista está limitada a 25 cepas), as melhor classificadas para aliviar a ansiedade foram as variedades Kush de cannabis, com uma mistura contendo altos níveis de terpenos trans-nerolidol, b-cariofileno e D-limoneno nas três variedades. Além disso, constatou-se mais eficiência nas cepas com THC alto e altos níveis de terpeno trans-nerolidol.

A análise da cepa menos eficaz sugere que o terpeno terpinoleno pode ser particularmente inútil para a ansiedade e, auxiliares em menor grau, os terpenos guaiol, eucaliptol, g-terpineno, a-phandandrene, 3-carene e hidrato de sabineno.

Embora este estudo tenha sido limitado, ele demonstrou que a ansiedade pode ser afetada de maneiras diferentes, dependendo do perfil químico do produto da cannabis.

Sobre a Ansiedade Visão Geral

Visão Geral

Todo mundo passa por momentos em que pode se sentir ansioso, como antes de fazer um teste importante ou passar por uma entrevista de emprego; mas as pessoas com transtorno de ansiedade experimentam essa sensação com mais frequência e intensidade. Quando você tem um distúrbio de ansiedade, sente-a de forma mais severa, com maior duração e/ ou frequência do que episódios normais de ansiedade.

Qualquer pessoa pode vivenciar um distúrbio de ansiedade. Ela afeta homens e mulheres, adultos e crianças. Quase 300 milhões de pessoas em todo o mundo têm transtornos de ansiedade, incluindo 40 milhões de norte-americanos com mais de 18 anos.

Existem vários tipos de transtornos de ansiedade e outras condições em que a ansiedade é o principal sintoma. Eles incluem:

  • Fobias: quando sintomas são desencadeados por circunstâncias particulares. Algumas das fobias mais comuns incluem pavor de aranhas (aracnofobia), estar cercado por muitas pessoas em um amplo espaço aberto (agorafobia), sentir-se preso em um espaço estreito e fechado (claustrofobia) ou participar de situações sociais (fobia de ansiedade social )
  • Transtornos de ansiedade induzidos por motivos médicos:  quando sua sensação de ansiedade, medo ou perigo é causada ​​por um problema de saúde físico diferente.
  • Transtorno de ansiedade geral (TAG): esse é um tipo muito comum de transtorno de ansiedade, o qual afeta 3,1% da população dos EUA. Diferente das fobias, não há um gatilho específico que faça com que você sinta os sintomas da ansiedade. Você os sente durante experiências diárias comuns e regulares. O TAG geralmente vem acompanhado de distúrbios de saúde mental, como depressão.
  • Síndrome do pânico: se você sofre dessa síndrome, experimenta ataques de pânico – sensação de curta duração, mas intensa, de terror, desgraça e perigo, além de dor no peito, falta de ar e / ou palpitações cardíacas. Às vezes, depois de um ataque de pânico, a preocupação em experimentá-lo novamente pode ser suficiente para desencadeá-lo.
  • Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT): esse é um distúrbio de ansiedade causado por um evento específico, extremamente aterrorizante ou traumático.
  • Transtorno de ansiedade de separação: esse distúrbio afeta as crianças e é diagnosticado quando ela está mais incomodada do que o normal por ser separada dos pais ou das pessoas que exercem papel parental.
  • Transtorno de ansiedade induzido por substância: é a ansiedade ou o medo causado pelo abuso de drogas, exposição a uma substância tóxica ou a certos medicamentos.

Existem também outros transtornos de ansiedade que não se encaixam em nenhum dos tipos mencionados acima, mas que você sente serem sintomas relacionados à ansiedade os quais atrapalham sua vida e causam angústia.

Sintomas

Sintomas

Quando você tem um distúrbio de ansiedade, pode experimentar sintomas físicos e/ ou psicológicos. Esses sintomas podem começar na infância ou se desenvolver durante a vida. Algumas pessoas que sofrem de ansiedade desenvolvem os sintomas logo após um evento particular, perturbador ou traumático. No entanto, eles também podem se desenvolver alguns anos depois.

Os sintomas psicológicos da ansiedade incluem:

  • Sensação de inquietude, nervosismo ou estresse
  • Dificuldade de concentração, uma vez que a ansiedade ocupa toda a atenção
  • Irritabilidade
  • Uma sensação de destruição iminente, pavor ou pânico
  • Um forte desejo de evitar as situações que desencadeiam ansiedade

 

Os sintomas físicos da ansiedade incluem:

  • Aumento da frequência cardíaca, palpitações
  • Respiração muito mais rápida que o normal (hiperventilação)
  • Sudorese
  • Tremor ou agitação
  • Insônia
  • Boca seca
  • Náusea, dor de estômago ou enjoo
  • Formigamento e/ ou músculos doloridos e sensíveis
  • Dores de cabeça

Se você tem TAG, pode experimentar alguns desses sintomas em um nível baixo na maioria ou o tempo todo, como uma espécie de pano de fundo para sua vida diária. As pessoas que têm TAG podem achar difícil lembrar a última vez em que se sentiram relaxadas. É possível sofrer de ansiedade geral por muito tempo sem perceber, porque você está acostumado a se sentir assim.

Outras pessoas podem experimentar esses sintomas muito intensa e severamente, mas por curtos períodos de tempo. Os ataques de pânico, por exemplo, são momentos específicos de extrema ansiedade que podem atingir seu pico em apenas alguns minutos. Se você tiver um ataque de pânico, sentirá o aumento do batimento cardíaco, a dificuldade de respirar, tonturas, tremores e suor, e até mesmo poderá se convencer de que algo terrível está prestes a acontecer. Às vezes, as pessoas podem confundir um ataque de pânico com um ataque cardíaco, especialmente se nunca tiveram nenhum sintoma de ansiedade, uma vez que ele se desenvolver de maneira repentina e intensa.

É importante lembrar que os sintomas de ansiedade variam de uma pessoa para outra. Você pode não experimentar todos ou mesmo a maioria desses sintomas. A ansiedade geralmente ocorre junto com outro distúrbio de saúde mental ou física, o que pode dificultar a identificação dos sintomas de ansiedade.

Quando Procurar um Médico

Quando Procurar um Médico

Às vezes, é difícil saber quando procurar um médico para checar seus sintomas. Segue aqui um guia resumido que o ajudarão a entender qual o momento de buscar ajuda.

  • Você se preocupa tanto que o tema está tomando conta da sua vida.
  • Sua ansiedade está interferindo em seu trabalho, seus relacionamentos e sua vida diária.
  • Você está evitando determinadas situações, lugares ou pessoas por causa da ansiedade.
  • Você se sente deprimido, lutando contra o abuso de álcool ou outras substâncias, ou tem outros problemas de saúde mental e ansiedade.
  • Caso tenha pensamentos suicidas, deve procurar ajuda emergencial imediatamente.

 

Se você sofre de ansiedade e não busca ajuda, ela pode piorar com o tempo e levar a complicações como depressão, isolamento social, abuso de drogas ou álcool, insônia crônica e fortes dores de cabeça. Como muitos distúrbios, você poderá tratar sua ansiedade com mais eficácia se começar a lidar com ela rapidamente.

Tratamento

Tratamento

Em geral, os transtornos de ansiedade podem ser tratados, mas seu sucesso depende do tipo que enfrenta e quando busca tratamento. Quanto mais cedo você receber ajuda para combater sua ansiedade, maiores serão suas chances de reduzi-la ou eliminá-la por completo.

Se a sua ansiedade é causada por uma condição médica ou como efeito colateral a certos medicamentos, o tratamento da condição subjacente e/ ou a interrupção do uso desse medicamento também devem ter efeito sobre sua ansiedade. Até mesmo aprender a viver com esse distúrbio é um passo importante. No entanto, há vezes em que a ansiedade já se tornou um hábito, e pode permanecer intocada mesmo após a causa médica ser tratada.

Existem alguns medicamentos que funcionam bem no tratamento da ansiedade. Alguns deles demoram mais para fazer efeito do que outros. Os medicamentos para ansiedade incluem:

    • ISRSs (inibidores seletivos da recaptação de serotonina): esses antidepressivos aumentam o nível de serotonina no cérebro, ajudando você a se sentir mais relaxado. Os ISRSs podem levar várias semanas para começar a fazer efeito, mas é seguro tomá-los por muitos e muitos anos. Os ISRSs incluem a sertralina, a escitalopram e a paroxetina.
    • SNRIs (inibidores da recaptação de serotonina e noradrenalina): outro tipo de antidepressivo que aumenta os níveis de serotonina e noradrenalina, os quais ajudam a aliviar a ansiedade. Os SNRIs levam normalmente algumas semanas para começar a fazer efeito e podem provocar efeitos colaterais desagradáveis ​​durante as primeiras duas semanas. Os SNRIs incluem a venlafaxina e a duloxetina.
    • Benzodiazepínicos: são sedativos que aliviam os sintomas de ansiedade em menos de meia hora. No entanto, eles não podem ser tomados por longos períodos de tempo porque causam dependência, além de se tornarem menos eficazes quanto mais você os usa. Se você tem uma prescrição de benzodiazepina, ela durará no máximo quatro semanas. O benzodiazepínico mais comum é o diazepam.
    • Terapia: para algumas pessoas, as psicoterapias funcionam muito bem no tratamento de transtornos de ansiedade. Meditação guiada, relaxamento aplicado, terapia cognitivo-comportamental (TCC) e terapias de grupo podem ser eficazes para reduzir a ansiedade. Geralmente, você precisará aprender essas técnicas com um terapeuta treinado, mas, depois de dominá-las, poderá aplicá-las por conta própria, sempre que precisar.
    • Terapias alternativas: algumas terapias alternativas, como a hipnoterapia, podem ser eficazes no tratamento de transtornos de ansiedade.
    • Mudanças no estilo de vida: muitas pessoas acreditam que fazer algumas mudanças no estilo de vida pode ajudar a tratar a ansiedade. Fazer exercícios, evitar álcool e drogas e participar de atividades que você gosta podem ajudar a reduzir os sintomas de ansiedade.
Home > Quadros Clinicos > Ansiedade
322
285
10 min

A Cannabis Pode Ajudar a Combater a Ansiedade?

por Emily Earlenbaugh, PhD

Sep 23, 2019

Ansiedade e o Sistema Endocanabinoide

A cannabis pode ser útil para reduzir sua ansiedade? Embora a pesquisa sobre esse tema esteja em andamento, já está claro que a planta é capaz de alterar os níveis de estresse.

Isso se deve principalmente à maneira como a cannabis interage com o sistema endocanabinoide natural do seu corpo. Este é composto por três partes principais: endocanabinoides, receptores e enzimas. Os endocanabinoides, moléculas muito semelhantes aos canabinoides (algumas das substâncias ativas na cannabis), são produzidos naturalmente em nosso corpo. Os endocanabinoides se ligam aos receptores endocanabinoides (conhecidos como receptores CB1 e CB2), os quais são encontrados em todo o corpo, na superfície das células. Isso ativa uma resposta em cadeia que mantém a homeostase interna (ou equilíbrio) do corpo e estimula muitas das funções mais importantes do organismo, como:

Assim, as enzimas desempenham o importante papel de quebrar os endocanabinoides e eliminá-los de nosso sistema.

Embora o sistema endocanabinoide deva funcionar sozinho em indivíduos saudáveis, com os receptores sendo estimulados por nossos endocanabinoides naturais, os canabinoides (alguns dos ingredientes ativos da cannabis) também podem estimular os receptores CB1 e CB2 para ativar seus efeitos. É assim que a cannabis fornece tantos efeitos medicinais e psicoativos em humanos e outros mamíferos.

Quando se trata de ansiedade, a ativação desses receptores pode ser particularmente útil, pois a sinalização do sistema endocanabinoide regula nossos níveis de estresse e ansiedade. Um estudo descobriu que a sinalização endocanabinoide determina o quanto nos afetarão os estímulos que evocam medo e o que entenderemos como uma resposta comportamental apropriada. Portanto não surpreende o fato de os pesquisadores terem notado que, quando a função endocanabinoide é prejudicada ou desregulada, ela pode levar ao desenvolvimento de transtornos de ansiedade. Teoricamente, é fácil compreender como a cannabis pode ajudar indivíduos com distúrbios de ansiedade eles são aliviados com a adição de canabinoides para estimular o sistema endocanabinoide.

Pesquisas sobre Ansiedade e Cannabis

É compreensível que a cannabis possa ajudar com a ansiedade e esta é, particularmente, uma das condições mais comuns tratadas atualmente com a planta. Na América do Norte, por exemplo, este é um dos cinco principais sintomas que levam ao tratamento com cannabis. Ainda assim, é importante analisar a pesquisa para entender se o uso de cannabis está realmente ajudando as pessoas com transtornos de ansiedade.

Algo descoberto pelos pesquisadores é que a ingestão de cannabis pode embotar a reação daqueles que sofrem estímulos estressantes. Em um estudo, os cientistas aplicaram testes de estresse, como por exemplo fazer cálculos em uma apresentação pública ou mergulhar as mãos na água gelada, com indivíduos que usavam ou não maconha. Usuários de cannabis relataram níveis mais baixos de estresse durante o teste do que os não usuários. Ainda mais interessante, os resultados dos testes mostraram que os usuários de cannabis tinham menos cortisol em seu sistema (um hormônio que indica estresse) do que aqueles que não usavam cannabis.

Em um estudo semelhante, os cientistas convidaram participantes com transtorno de ansiedade social generalizada para participar de um teste de estresse para falar em público. Alguns receberam um placebo de antemão, enquanto outros receberam uma dose de 600 mg de CBD (um canabinoide da cannabis). Aqueles que tomaram CBD previamente tiveram melhor resultado nas medidas subjetivas e fisiológicas de ansiedade do que aqueles que usaram o placebo.

Outros estudos mostraram que pacientes com dor crônica podem obter maior alívio a curto prazo dos sintomas de ansiedade ao tomar cannabis em lugar de um placebo. Infelizmente, muitos desses estudos apresentam problemas metodológicos que os desacreditam frente aos cientistas. Metanálises da literatura admitem que há alguma evidência de que a cannabis para uso medicinal possa ajudar a reduzir a ansiedade, mas alerta que ela é limitada.

Por outro lado, há estudos mostrando resultados na direção oposta.

Embora a cannabis possa aliviar a ansiedade, estudos mostram que ela também pode causá-la. Os usuários de cannabis sabem disso há muito tempo. Enquanto a cannabis às vezes parece gerar relaxamento, outras vezes parece induzir ansiedade e uma sensação de paranoia. Em alguns casos, isso tem sido associado à dosagem. Os mesmos canabinoides que aliviam a ansiedade em doses baixas, podem aumentá-la em doses mais altas. Para os principais canabinoides, THC e CBD, os estudos mostraram o que é chamado de efeitos bifásicos. Em outras palavras, a cannabis pode produzir efeitos opostos em doses diferentes. A dose que você toma pode ser a diferença entre uma experiência de indução de ansiedade ou de alívio de ansiedade.

Além desses efeitos imediatos da cannabis sobre a ansiedade, existem evidências que sugerem que o uso da cannabis pode piorar os sintomas de ansiedade ao longo do tempo. O relatório da Academia Nacional de Ciências de 2017 descreveu um estudo que acompanhou os entrevistados que relataram uso de cannabis por um período de três anos. Eles não encontraram correlações entre o uso de cannabis e a maioria dos transtornos de ansiedade, mas observaram um vínculo estatisticamente significativo entre o uso de cannabis em adultos mais velhos e o desenvolvimento de um transtorno de ansiedade social. Isso não se aplicava às populações mais jovens, portanto, não está claro se isso pode ser devido a diferenças fisiológicas da idade ou a fatores sociais relacionados ao estigma da cannabis que podem levar os usuários mais velhos a se retirarem dos ambientes sociais. De qualquer maneira, a Academia Nacional de Ciências relatou evidências moderadas de que o uso de cannabis poderia resultar em transtornos de ansiedade social em adultos mais velhos, e evidências limitadas de que isso poderia levar ao desenvolvimento de outro tipo de distúrbio.

A pesquisa sobre ansiedade tem sido limitada e um tanto inconclusiva em grande parte devido aos efeitos imprevisíveis da cannabis na ansiedade. Com alguns estudos mostrando resultados positivos e outros mostrando resultados negativos, pesquisadores e pacientes se perguntam quais fatores produzirão resultados positivos regularmente. Embora um fator seja claramente a dosagem, a cannabis também é uma planta extremamente diversificada e os produtos de marijuana para uso medicinal podem conter uma ampla variedade de diferentes substâncias químicas ativas. Dependendo da mistura específica de canabinoides e outros ingredientes ativos como terpenos e flavonoides (as outras substâncias químicas medicinalmente ativas da cannabis), você poderá experimentar efeitos muito diferentes a partir de sua cannabis.

Para confirmar essa teoria e aprimorar os melhores quimiotipos para o tratamento da ansiedade, os pesquisadores da Whistler Therapeutics, no Canadá, criaram um estudo testando quais cepas eram mais e menos eficazes no alívio da ansiedade. Este foi o primeiro (e único) estudo desse tipo, observando as diferenças nos efeitos relacionados à ansiedade com o uso de diferentes espécies.

Para isso, eles trabalharam exclusivamente com uma empresa que cultiva e vende sua própria cannabis, rastreando a composição química de cada cepa. Os pesquisadores incluíram 25 cepas e pesquisaram a reação de 442 pacientes frente a essas cepas específicas. Os entrevistados foram solicitados a classificar as cepas mais e menos eficazes para reduzir sua ansiedade. Em seguida, os pesquisadores compararam esses resultados da pesquisa com dois conjuntos de testes de laboratório independentes, mostrando a composição química das cepas revisadas.

Das cepas testadas (e lembre-se de que esta lista está limitada a 25 cepas), as melhor classificadas para aliviar a ansiedade foram as variedades Kush de cannabis, com uma mistura contendo altos níveis de terpenos trans-nerolidol, b-cariofileno e D-limoneno nas três variedades. Além disso, constatou-se mais eficiência nas cepas com THC alto e altos níveis de terpeno trans-nerolidol.

A análise da cepa menos eficaz sugere que o terpeno terpinoleno pode ser particularmente inútil para a ansiedade e, auxiliares em menor grau, os terpenos guaiol, eucaliptol, g-terpineno, a-phandandrene, 3-carene e hidrato de sabineno.

Embora este estudo tenha sido limitado, ele demonstrou que a ansiedade pode ser afetada de maneiras diferentes, dependendo do perfil químico do produto da cannabis.

Sobre a Ansiedade

Visão Geral

Todo mundo passa por momentos em que pode se sentir ansioso, como antes de fazer um teste importante ou passar por uma entrevista de emprego; mas as pessoas com transtorno de ansiedade experimentam essa sensação com mais frequência e intensidade. Quando você tem um distúrbio de ansiedade, sente-a de forma mais severa, com maior duração e/ ou frequência do que episódios normais de ansiedade.

Qualquer pessoa pode vivenciar um distúrbio de ansiedade. Ela afeta homens e mulheres, adultos e crianças. Quase 300 milhões de pessoas em todo o mundo têm transtornos de ansiedade, incluindo 40 milhões de norte-americanos com mais de 18 anos.

Existem vários tipos de transtornos de ansiedade e outras condições em que a ansiedade é o principal sintoma. Eles incluem:

  • Fobias: quando sintomas são desencadeados por circunstâncias particulares. Algumas das fobias mais comuns incluem pavor de aranhas (aracnofobia), estar cercado por muitas pessoas em um amplo espaço aberto (agorafobia), sentir-se preso em um espaço estreito e fechado (claustrofobia) ou participar de situações sociais (fobia de ansiedade social )
  • Transtornos de ansiedade induzidos por motivos médicos:  quando sua sensação de ansiedade, medo ou perigo é causada ​​por um problema de saúde físico diferente.
  • Transtorno de ansiedade geral (TAG): esse é um tipo muito comum de transtorno de ansiedade, o qual afeta 3,1% da população dos EUA. Diferente das fobias, não há um gatilho específico que faça com que você sinta os sintomas da ansiedade. Você os sente durante experiências diárias comuns e regulares. O TAG geralmente vem acompanhado de distúrbios de saúde mental, como depressão.
  • Síndrome do pânico: se você sofre dessa síndrome, experimenta ataques de pânico – sensação de curta duração, mas intensa, de terror, desgraça e perigo, além de dor no peito, falta de ar e / ou palpitações cardíacas. Às vezes, depois de um ataque de pânico, a preocupação em experimentá-lo novamente pode ser suficiente para desencadeá-lo.
  • Transtorno de estresse pós-traumático (TEPT): esse é um distúrbio de ansiedade causado por um evento específico, extremamente aterrorizante ou traumático.
  • Transtorno de ansiedade de separação: esse distúrbio afeta as crianças e é diagnosticado quando ela está mais incomodada do que o normal por ser separada dos pais ou das pessoas que exercem papel parental.
  • Transtorno de ansiedade induzido por substância: é a ansiedade ou o medo causado pelo abuso de drogas, exposição a uma substância tóxica ou a certos medicamentos.

Existem também outros transtornos de ansiedade que não se encaixam em nenhum dos tipos mencionados acima, mas que você sente serem sintomas relacionados à ansiedade os quais atrapalham sua vida e causam angústia.

Sintomas

Quando você tem um distúrbio de ansiedade, pode experimentar sintomas físicos e/ ou psicológicos. Esses sintomas podem começar na infância ou se desenvolver durante a vida. Algumas pessoas que sofrem de ansiedade desenvolvem os sintomas logo após um evento particular, perturbador ou traumático. No entanto, eles também podem se desenvolver alguns anos depois.

Os sintomas psicológicos da ansiedade incluem:

  • Sensação de inquietude, nervosismo ou estresse
  • Dificuldade de concentração, uma vez que a ansiedade ocupa toda a atenção
  • Irritabilidade
  • Uma sensação de destruição iminente, pavor ou pânico
  • Um forte desejo de evitar as situações que desencadeiam ansiedade

 

Os sintomas físicos da ansiedade incluem:

  • Aumento da frequência cardíaca, palpitações
  • Respiração muito mais rápida que o normal (hiperventilação)
  • Sudorese
  • Tremor ou agitação
  • Insônia
  • Boca seca
  • Náusea, dor de estômago ou enjoo
  • Formigamento e/ ou músculos doloridos e sensíveis
  • Dores de cabeça

Se você tem TAG, pode experimentar alguns desses sintomas em um nível baixo na maioria ou o tempo todo, como uma espécie de pano de fundo para sua vida diária. As pessoas que têm TAG podem achar difícil lembrar a última vez em que se sentiram relaxadas. É possível sofrer de ansiedade geral por muito tempo sem perceber, porque você está acostumado a se sentir assim.

Outras pessoas podem experimentar esses sintomas muito intensa e severamente, mas por curtos períodos de tempo. Os ataques de pânico, por exemplo, são momentos específicos de extrema ansiedade que podem atingir seu pico em apenas alguns minutos. Se você tiver um ataque de pânico, sentirá o aumento do batimento cardíaco, a dificuldade de respirar, tonturas, tremores e suor, e até mesmo poderá se convencer de que algo terrível está prestes a acontecer. Às vezes, as pessoas podem confundir um ataque de pânico com um ataque cardíaco, especialmente se nunca tiveram nenhum sintoma de ansiedade, uma vez que ele se desenvolver de maneira repentina e intensa.

É importante lembrar que os sintomas de ansiedade variam de uma pessoa para outra. Você pode não experimentar todos ou mesmo a maioria desses sintomas. A ansiedade geralmente ocorre junto com outro distúrbio de saúde mental ou física, o que pode dificultar a identificação dos sintomas de ansiedade.

Quando Procurar um Médico

Às vezes, é difícil saber quando procurar um médico para checar seus sintomas. Segue aqui um guia resumido que o ajudarão a entender qual o momento de buscar ajuda.

  • Você se preocupa tanto que o tema está tomando conta da sua vida.
  • Sua ansiedade está interferindo em seu trabalho, seus relacionamentos e sua vida diária.
  • Você está evitando determinadas situações, lugares ou pessoas por causa da ansiedade.
  • Você se sente deprimido, lutando contra o abuso de álcool ou outras substâncias, ou tem outros problemas de saúde mental e ansiedade.
  • Caso tenha pensamentos suicidas, deve procurar ajuda emergencial imediatamente.

 

Se você sofre de ansiedade e não busca ajuda, ela pode piorar com o tempo e levar a complicações como depressão, isolamento social, abuso de drogas ou álcool, insônia crônica e fortes dores de cabeça. Como muitos distúrbios, você poderá tratar sua ansiedade com mais eficácia se começar a lidar com ela rapidamente.

Tratamento

Em geral, os transtornos de ansiedade podem ser tratados, mas seu sucesso depende do tipo que enfrenta e quando busca tratamento. Quanto mais cedo você receber ajuda para combater sua ansiedade, maiores serão suas chances de reduzi-la ou eliminá-la por completo.

Se a sua ansiedade é causada por uma condição médica ou como efeito colateral a certos medicamentos, o tratamento da condição subjacente e/ ou a interrupção do uso desse medicamento também devem ter efeito sobre sua ansiedade. Até mesmo aprender a viver com esse distúrbio é um passo importante. No entanto, há vezes em que a ansiedade já se tornou um hábito, e pode permanecer intocada mesmo após a causa médica ser tratada.

Existem alguns medicamentos que funcionam bem no tratamento da ansiedade. Alguns deles demoram mais para fazer efeito do que outros. Os medicamentos para ansiedade incluem:

    • ISRSs (inibidores seletivos da recaptação de serotonina): esses antidepressivos aumentam o nível de serotonina no cérebro, ajudando você a se sentir mais relaxado. Os ISRSs podem levar várias semanas para começar a fazer efeito, mas é seguro tomá-los por muitos e muitos anos. Os ISRSs incluem a sertralina, a escitalopram e a paroxetina.
    • SNRIs (inibidores da recaptação de serotonina e noradrenalina): outro tipo de antidepressivo que aumenta os níveis de serotonina e noradrenalina, os quais ajudam a aliviar a ansiedade. Os SNRIs levam normalmente algumas semanas para começar a fazer efeito e podem provocar efeitos colaterais desagradáveis ​​durante as primeiras duas semanas. Os SNRIs incluem a venlafaxina e a duloxetina.
    • Benzodiazepínicos: são sedativos que aliviam os sintomas de ansiedade em menos de meia hora. No entanto, eles não podem ser tomados por longos períodos de tempo porque causam dependência, além de se tornarem menos eficazes quanto mais você os usa. Se você tem uma prescrição de benzodiazepina, ela durará no máximo quatro semanas. O benzodiazepínico mais comum é o diazepam.
    • Terapia: para algumas pessoas, as psicoterapias funcionam muito bem no tratamento de transtornos de ansiedade. Meditação guiada, relaxamento aplicado, terapia cognitivo-comportamental (TCC) e terapias de grupo podem ser eficazes para reduzir a ansiedade. Geralmente, você precisará aprender essas técnicas com um terapeuta treinado, mas, depois de dominá-las, poderá aplicá-las por conta própria, sempre que precisar.
    • Terapias alternativas: algumas terapias alternativas, como a hipnoterapia, podem ser eficazes no tratamento de transtornos de ansiedade.
    • Mudanças no estilo de vida: muitas pessoas acreditam que fazer algumas mudanças no estilo de vida pode ajudar a tratar a ansiedade. Fazer exercícios, evitar álcool e drogas e participar de atividades que você gosta podem ajudar a reduzir os sintomas de ansiedade.

Conversation

Condition Index A-Z