Inscreva-se

Home Consumo Explicando os Tipos de Óleo de Cannabis
dez 5, 2019 6 min de leitura

Explicando os Tipos de Óleo de Cannabis

author
por Janelle Lassalle
Green leaves of medicinal cannabis with extract oil and medical marijuana flower buds.

A forma de utilização da cannabis é bastante versátil. Você pode fumá-la, comê-la ou até utilizá-la por meio de produtos de uso tópico para a pele. Pode também vaporizá-la, bebê-la como chá, utilizá-la em  forma de concentrado ou incluí-la em um inalador.

Óleos de cannabis são frequentemente colocados sob a língua (via sublingual), onde são absorvidos pela mucosa da boca, penetrando mais rapidamente na corrente sanguínea.

A absorção sublingual substitui a do trato gastrointestinal, onde os compostos podem se decompor antes de serem metabolizados. Ela também aumenta a quantidade de cannabis absorvida pelo seu sistema (biodisponibilidade), expandindo seus efeitos.

A seguir, confira um guia com a descrição dos óleos de cannabis mais comuns.

Óleo de Semente de Cânhamo

Os termos CBD, cânhamo e óleo de semente de cânhamo não são intercambiáveis. Embora isso por vezes aconteça no cotidiano, cada um deles refere-se a uma parte específica e única da cannabis.

O óleo de semente de cânhamo não é extraído do cânhamo e nem é óleo de CBD. É, na verdade, extraído das sementes das plantas de cânhamo. Desconfie de marcas que atestam vender produtos de CBD que listam o “óleo de semente de cânhamo” como único ingrediente. Essa é uma prática enganosa usada para induzir os consumidores a acreditar que estão comprando óleo de CBD, um produto muito mais caro.

Seres humanos utilizam as sementes de cânhamo em produtos que visam o bem-estar há milhares de anos. Elas têm sido usadas na medicina chinesa para aliviar a constipação, por exemplo, e estão repletas de compostos benéficos, como o ácido α-linolênico, um ácido graxo ômega-3 que pode prevenir doenças coronárias.

Esse óleo (também chamado de óleo de semente sativa) é produzido por meio da pressão a frio das sementes de cânhamo. Ele pode ser utilizado na culinária ou em produtos de beleza.

Óleo de Cânhamo

A pergunta mais comum a respeito do óleo de cânhamo é se ele é ou não o mesmo que o “óleo de CBD”.

O cânhamo é, em termos simplistas, uma planta de cannabis rica em CBD. A única diferença entre os dois é que a quantidade de THC no cânhamo é regulada federalmente. Nos EUA, o cânhamo não deve conter mais de 0,3% de THC.

O óleo de cânhamo, portanto, é derivado de plantas de cânhamo e, juntamente com o CBD e outros elementos, contém vestígios de THC. Ele pode ser produzido de várias maneiras diferentes, como será abordado a seguir.

Assim como o óleo de CBD, o de cânhamo pode ser de full ou broad spectrum. O termo full spectrum significa que todos os compostos da planta de cânhamo (canabinoides, terpenos e outros) são preservados no produto final. Os produtos de broad spectrum contêm todos os canabinoides da planta, exceto o THC.

Os óleos de full spectrum são frequentemente recomendados para os pacientes por fornecerem benefícios potencializados para a saúde. Isso se deve ao “efeito entourage“, um conceito que defende que os compostos encontrados na planta de cannabis são mais poderosos quando atuam conjuntamente, diferente dos extratos que contêm apenas um canabinoide isolado.

A versão mais refinada do óleo de cânhamo disponível é feita com a extração de um canabinoide isoladamente, nesse caso o CBD. Alguns fabricantes o dissolvem em óleos transportadores para facilitar seu uso.

Óleo de Cannabis

O termo “óleo de cannabis” é incrivelmente amplo. Sem nenhum contexto adicional, pode ser usado para denotar qualquer tipo de óleo produzido a partir de alguma parte da planta de cannabis. Isso inclui  desde óleo de semente de cânhamo até óleo de cânhamo, bem como óleos à base de CBD. Também pode ser usado para designar vagamente óleos com alto teor de THC, como o RSO (óleo de Rick Simpson).

Os óleos de cannabis têm taxas de absorção diferentes, dependendo de como são consumidos, e é por isso que muitos pacientes preferem métodos de absorção sublingual. Obviamente, é possível consumir óleo de cannabis que tenha sido incorporado a alimentos (comestíveis). Uma vez que a biodisponibilidade do THC comestível é de 4-12%, seus efeitos tendem a durar um pouco mais (6-8 horas) do que os óleos sublinguais (4-6 horas).

Alguns óleos de cannabis podem até ser produzidos com partes menos utilizadas das plantas, como caules, ou conter uma mistura de óleos, como o óleo de semente de cânhamo misturado a outro óleo transportador. Entre os óleos transportadores mais comuns estão o de coco / MCT, de girassol e o azeite.

Existem várias maneiras diferentes de produzir óleos de cannabis, como as descritas a seguir.

Extração por CO2

Os fabricantes podem usar CO2 para extrair canabinoides da planta. Esse método costuma ser considerado como um dos mais seguros para a extração de cannabis, pois não requer o uso de um solvente adicional.

A extração por CO2 pode ser supercrítica ou subcrítica. CO2 supercrítico é o dióxido de carbono que foi aquecido e/ ou pressurizado até ficar em um estado entre líquido e gasoso. Esse tipo de extração é muito útil, pois produz um grande rendimento de CO2, mas as temperaturas extremas podem destruir compostos voláteis, como os terpenos. Já a extração subcrítica por CO2 usa temperaturas mais baixas para preservar os compostos da planta.

Extrações à Base de Lipídios

Extrações à base de lipídios promovem a infusão de gorduras, geralmente de óleos transportadores, com cannabis até que os canabinoides sejam absorvidos. Embora menos precisas que as extrações por CO2, elas tendem a preservar mais canabinoides da planta, tornando este um método de extração ideal para os pacientes.

Extração à Base de Etanol

Outra maneira de produzir óleos de cannabis é extrair os canabinoides da planta com etanol. Por meio dessa técnica, as flores de cannabis são embebidas em etanol, separando a planta de seus canabinoides. A mistura resultante é, então, processada.

Extrações à base de etanol costumam ser mais rentáveis do que outros métodos. No entanto, a polaridade do etanol faz com que ele tenha a propensão de se ligar a partes solúveis em água da planta, como a clorofila, que podem causar um sabor amargo se não forem removidas.

Óleo de THC 

O THC (tetra-hidrocanabinol) é um dos pelo menos 140 canabinoides encontrados na planta. Muitas vezes, é seu componente primário, e os criadores normalmente se concentram no cultivo de plantas com altos rendimentos de THC. Hoje, a concentração de THC nas plantas pode chegar a até 35%.

Diferente do CBD, o THC é psicotrópico, apresenta uma ampla variedade de aplicações e pode ser usado como analgésico, anti-epilético ou antiemético.

O óleo de THC é produzido a partir de flores de cannabis ricas nesse elemento. Há variadas formas de produção e ele pode ser infundido em tipos diferentes de óleos transportadores. Também é possível comprar (ou fabricar) óleos THC de full spectrum.

Além disso, você já deve ter escutado o termo “óleo de haxixe” anteriormente. Este é um ligeiro equívoco, pois o termo na verdade se refere a um extrato de resina derivado da cannabis. O óleo de haxixe é produzido com a retirada de canabinoides da planta com álcool, o qual em seguida é aquecido até que reste como resíduo um óleo pegajoso.

Óleo de CBD 

Um dos óleos de cannabis mais populares é o óleo de CBD (canabidiol). Ele é preparado a partir de flores de plantas de cânhamo ou cepas ricas em CBD. Assim como os óleos de THC, ele também pode ser produzido através de uma variedade de técnicas, incluindo extração por CO2 e métodos de extração à base de etanol. Ele pode ser comprado ou preparado como um produto de full ou broad spectrum.

A quantidade de THC é regulada para o cânhamo (geralmente entre 0,3 e 1% de THC). Portanto, o óleo de CBD feito de cânhamo contém uma quantidade mínima de THC (menos de 1%). O óleo de CBD produzido a partir de cannabis rica em CBD pode conter altas quantidades de THC.

Óleo de BHO 

BHO (Butane Hash Oil, também chamado de óleo de mel butano) é um óleo resinoso extraído de plantas de cannabis. Geralmente, o processo é feito utilizando o butano como solvente primário.

O óleo de BHO pode assumir consistências diferentes, dependendo do calor e da umidade utilizados, e recebem nomes que refletem a sua textura (em inglês): Budder, Shatter, Pull, Snap, Wax, Crumble e Sap, entre outros. Os óleos BHO são concentrados que podem ser consumidos dabeados ou vaporizados.

Essa técnica tornou-se menos popular com o passar do tempo, uma vez que o BHO é inflamável e propenso a incendiar quando exposto a uma faísca durante o processo de fabricação.

RSO (Óleo de Rick Simpson)

O óleo de Rick Simpson é outro composto resinoso obtido como resíduo quando a cannabis é extraída com álcool. Possui uma das mais altas concentrações que podem ser obtidas atualmente. O criador deste tipo de óleo, Rick Simpson, afirma tê-lo usado para tratar com sucesso um câncer de pele.

O RSO é feito com a separação da planta de cannabis de seus terpenos e canabinoides com álcool isopropílico. A planta é removida e a mistura é cozida até que nada permaneça além do óleo resinoso. Sendo assim, é possível encontrar RSO de CBD, RSO de THC e RSO que contém uma mistura de ambos.

A administração ideal de RSO é sublingual, pois maximiza a biodisponibilidade. No entanto, muitos consideram o sabor do RSO extremamente amargo e optam por consumi-lo por via oral. Seus efeitos são extremamente fortes.

Deixe um comentário