Inscreva-se

dez 17, 2019 10 min read

A Cannabis Pode Aliviar a Asma?

author
by Emily Earlenbaugh, PhD.
Revisão médica realizada por Roni Sharon, MD

Embora pareça contraditório, há muitos casos documentados de pacientes que conseguiram interromper seus ataques de asma fumando cannabis. Há também evidências sugerindo que o sistema endocanabinoide desempenha um papel importante na atividade do sistema respiratório, modulando essa atividade de várias maneiras. 

Além disso, pesquisas pré-clínicas e clínicas mostram que a cannabis de uso medicinal tem o potencial de ajudar no tratamento da asma atuando como broncodilatador, efeito oposto ao do tabaco.

No entanto, os estudos realizados sobre os efeitos completos da cannabis medicinal na asma ou tiveram escopo limitado ou foram conduzidos em animais. Mais pesquisas são necessárias para confirmar se a planta é de fato útil para os asmáticos. Se você está pensando em experimentar cannabis para o seu caso de asma, consulte primeiro um médico especializado em canabinoides.

Como a Cannabis Atua Sobre a Asma

Para entender como a cannabis atua no tratamento da asma, primeiro precisamos compreender como ela funciona em geral. A cannabis interage com nosso corpo principalmente através do sistema endocanabinoide, o qual mantém a homeostase ou o equilíbrio de muitas funções-chave como sono, fome, humor, resposta imune e memória. Este importante sistema do corpo humano é composto por três partes: endocanabinoides, receptores e enzimas. 

Nossos endocanabinoides são substâncias químicas naturais produzidas pelo organismo. Eles ativam ou modulam os receptores de endocanabinoides (como o CB1 e o CB2), acionando efeitos de equilíbrio do sistema. As enzimas então metabolizam os endocanabinoides, eliminando-os do corpo. 

Embora nossos endocanabinoides naturais geralmente ativem esse sistema, isso também pode ser desencadeado pelos canabinoides encontrados na planta de cannabis. Essas substâncias químicas também são capazes de interagir com o sistema endocanabinoide e, assim, ter efeito sobre muitas de suas importantes funções. É assim que a cannabis de uso medicinal impacta o corpo humano de tantas maneiras perceptíveis. 

Esses receptores endocanabinoides estão localizados em muitas partes do corpo humano, incluindo pulmões. Na verdade, quase todo tipo de célula presente nos pulmões humanos apresenta um receptor de endocanabinoides. Os receptores CB1 e CB2 podem ser encontrados ali e também no tecido brônquico – sendo que os níveis de CB1 são significativamente maiores do que os de CB2. Isso sugere que os pulmões são suscetíveis aos efeitos do sistema endocanabinoide e, portanto, podem ser afetados pela cannabis de uso medicinal. 

Em estudos que analisaram os efeitos dos canabinoides e endocanabinoides nesses receptores, foi constatado que eles podem ser potentes agentes anti-inflamatórios. Isso ajuda a explicar por que vemos muitos estudos e relatos sobre a cannabis medicinal (ou seus ingredientes mais comuns, o THC e o CBD) agindo como broncodilatadora, abrindo vias aéreas e reduzindo a produção de muco.

Estudos Médicos Sobre Cannabis e Asma

Nos estudos sobre a relação entre asma e cannabis, os pesquisadores preocuparam-se com a questão da fumaça, a qual poderia, assim como a do tabaco, aumentar os fatores de risco de crise. No entanto, as pesquisas sugerem que a cannabis é um broncodilatador bastante confiável. Em outras palavras, é capaz de abrir as vias aéreas contraídas durante um ataque de asma. Isso contrasta fortemente com a fumaça do tabaco, que é um notável broncoconstritor que fecha vias aéreas, provocando ataques de asma. 

Estudos sobre cannabis fumada com baixos níveis de THC (entre 1 e 2,6%) atestaram que a planta de uso medicinal pode atuar como broncodilatador. Um estudo descobriu que ela foi capaz de interromper o broncoespasmo e a hiperinsuflação pulmonar associada quase que imediatamente. Outro estudo também revelou que a fumaça da cannabis causou broncodilatação – com efeitos mais pronunciados ao usar mais THC –, observando que não veio acompanhada de depressão respiratória central. 

Embora essa pesquisa seja promissora, ambos os estudos foram limitados pelo tamanho relativamente pequeno da amostra. Eles também usaram cannabis medicinal com níveis muito mais baixos de THC do que os encontrados na maioria das cepas disponíveis da planta. Pesquisas futuras podem investigar quimiotipos mais comuns de cannabis, ou de THC isolado, para descobrir como eles influenciam a função pulmonar. 

Alguns estudos também se concentraram nos efeitos do CBD na asma. Eles têm sido promissores, mesmo que limitados, pois se basearam em modelos de asma em animais. Por exemplo, em modelos de roedores com asma, o CBD foi capaz de reduzir a inflamação das vias aéreas, os danos e as cicatrizes no tecido pulmonar associados à asma. Da mesma forma, modelos de porquinho-da-índia com asma mostraram que o CBD foi capaz de ajudar na redução da constrição das vias aéreas. Os pesquisadores de ambos os estudos acreditam que o CBD pode ser benéfico para o tratamento dessa doença, mas ainda são necessários estudos em humanos para confirmar esses resultados. 

Além desses dois canabinoides, que demonstraram potencial para auxiliar na asma, um dos terpenos da cannabis medicinal (as substâncias químicas da planta que conferem sabor, aroma e uma ampla gama de efeitos farmacológicos) também pode ajudar. O eucaliptol é um terpeno presente em muitas cepas de cannabis (embora não em todas), fazendo também parte de algumas outras plantas, como a árvore de eucalipto. Estudos sobre eucaliptol mostram que ele também pode ser útil para tratar inflamações das vias aéreas. Em um determinado estudo, pacientes de asma que tomaram suplementos de eucaliptol sentiram uma redução significativa nos sintomas relacionados à doença. Em outro estudo, os que ingeriram eucaliptol conseguiram reduzir o consumo de outros medicamentos para asma. Portanto, é altamente provável que cepas de cannabis com alto teor de eucaliptol (como Bubba Kush, Girl Scout Cookies e Super Silver Haze) possam oferecer benefícios adicionais para quem sofre de asma, mais do que outras variedades da planta. Pesquisas futuras podem investigar se, de fato, essas cepas oferecem esses benefícios. 

No geral, a pesquisa apoia a ideia de que a cannabis pode ajudar a tratar a asma atuando como broncodilatador e também de outras maneiras. Ainda assim, mais pesquisas são necessárias para confirmar e compreender melhor essas descobertas. Caso você esteja cogitando usar a cannabis medicinal para sua própria asma, consulte um médico especializado em canabinoides para descobrir se isso é adequado para seu caso.

Efeitos Colaterais

Enquanto alguns pacientes relataram melhora, isso não ocorre sem risco de efeitos colaterais. Em geral, eles incluem impacto temporário na função cognitiva, coordenação e memória, provoca olhos e boca secos, aumento da frequência cardíaca e ansiedade ou paranoia. Para a maioria das pessoas, esses eventos são raros, leves ou controláveis; mas, para algumas, limitam a funcionalidade, tornando o tratamento com a cannabis menos eficaz.

Talvez o efeito colateral mais importante para os que sofrem de asma sejam as alergias que a cannabis pode provocar. Em casos leves, elas podem causar aumento de congestão, coriza, olhos lacrimejantes, gotejamento pós-nasal e coceira nos olhos ou nariz. Estes podem ser angustiantes para quem sofre de asma e potencialmente prejudiciais para aqueles que sofrem do mal desencadeado por alergias. Em casos mais graves, as pessoas relatam erupções cutâneas como resultado do contato com a resina da cannabis, agravamento dos sintomas de asma ou mesmo choque anafilático. Se você tem alergia à cannabis medicinal, ela não poderá ser útil no seu tratamento da asma. 

Alguns também apontam o potencial impacto negativo da fumaça da cannabis nos pulmões como um efeito colateral indesejado. Estudos em animais sugerem que o consumo de cannabis medicinal está relacionado com mudanças nas células pulmonares e doenças do pulmão como bronquiolite. Ainda assim, um estudo longitudinal de 20 anos sobre cannabis medicinal fumada em humanos não encontrou nenhuma evidência de que seu uso esteja relacionado com o aumento de doenças pulmonares ou a redução da função pulmonar. Na verdade, esta pesquisa sugere que a cannabis pode aumentar a função pulmonar em alguns de seus usuários. 

Como a asma pode ser uma doença com risco de morte, é melhor buscar um médico com experiência em cannabis.

Isenção de Responsabilidade

O conteúdo do site The Cannigma tem fins puramente informativos. Não substitui aconselhamento médico profissional, diagnóstico ou tratamento. Sempre consulte um médico profissional experiente com conhecimento em cannabis antes de iniciar um tratamento.

Deixe um comentário

Índice de A-Z