Inscreva-se

Home Planta O que é CBG?
jan 21, 2021 10 min read

O que é CBG?

author
by Matan Weil
Revisão científica realizada por Codi Peterson, PharmD
marijuana leaf

O CBG (cannabigerol) é, de longe, um dos canabinoides mais importantes na planta de cannabis. Muitas vezes, é chamado de “a mãe de todos os canabinoides” e apresenta potencial para tratar diversas doenças. No entanto, ainda faltam estudos em humanos. Além de suas potenciais aplicações médicas, o CBG, assim como o CBD, não é considerado psicoativo.

Muitos dos efeitos mais populares e conhecidos do THC e do CBD são derivados de sua interação com o sistema endocanabinoide. O CBG, entretanto, atua principalmente por meio de outros mecanismos, o que explica o fato de seus efeitos serem tão diferentes. Atualmente está sendo pesquisado como um tratamento para uma longa lista de condições, como demência, PTSD, TDAH, doença de Huntington, ELA, Doença de Parkinson, esclerose múltipla, diabetes, colite e, claro, dor.

Mas é importante notar que, quando se trata de CBG, a palavra “potencial” é fundamental. A maioria das evidências que os cientistas encontraram sobre a eficácia do CBG é baseada em modelos animais, então é muito cedo para dizer se eles são relevantes para os humanos. E, ao contrário do THC e do CBD, praticamente não há informações científicas sobre a segurança ou dosagem de produtos com predominância de CBG.

Isolada pela primeira vez por Raphael Mechulam e Yehiel Gaoni em 1964, o CBG é frequentemente chamada de “a mãe de todos os canabinoides”, sugerindo que é superior aos demais.

Uma das razões pelas quais os profissionais de marketing costumam se referir ao CBG dessa forma é para fazer com que ele pareça ser responsável pelos benefícios dos outros canabinoides, mas no momento há pouca ciência para sugerir isso.

O que a “mãe de todos os canabinoides” realmente significa é que o CBGA é produzido primeiro pela planta e, em seguida, é convertido em outros ácidos canabinoides. Então, realmente, CBGA é responsável pela criação de THCA, CBDA e CBCA, porque a planta precisa de CBGA para produzi-los. Isso é importante para os cientistas que pesquisam a planta, mas não significa que seja superior em termos terapêuticos.

Na verdade, o CBG geralmente ocorre em concentrações muito mais baixas do que outros canabinoides como o THC e o CBD – normalmente cerca de 0-1% em uma flor de cannabis. Com o entusiasmo em torno do CBG nos últimos anos, no entanto, os criadores têm desenvolvido variedades com CBG dominante e as empresas estão produzindo uma infinidade de produtos, como óleos e flores de CBG.

É importante notar que a pesquisa sobre a segurança de produtos com predominância de CBG é notavelmente escassa. É possível que muito do hype sobre o CBG seja resultado de uma lacuna regulatória que torna os produtos derivados do cânhamo acessíveis e legais. O CBD tem sido um grande sucesso no mercado de bem-estar e, embora o CBG seja frequentemente proposto como seu herdeiro, ainda não há muito a fazer do ponto de vista científico.

CBG x CBD

cientistas trabalham com extratos de cannabis

Qual é melhor: CBG ou CBD? A resposta depende do que você está tentando alcançar. CBG se liga a diferentes receptores que podem produzir uma variedade de efeitos no corpo. Para algumas condições, como hipertensão, CBG mostra benefícios potenciais que o CBD não mostra. Em outros casos, como no controle de convulsões, o CBD é útil, enquanto o CBG não. Ainda para outros sintomas, como inflamação e dor, tanto o CBD quanto o CBG atuam nos mesmos alvos e podem ter efeitos semelhantes. Realmente depende do que você está tentando obter.

Ao contrário do CBD, no entanto, a pesquisa sobre a segurança e eficácia do CBG é praticamente inexistente. Os produtos de CBD são frequentemente vendidos como suplementos dietéticos devido a uma lacuna regulatória, mas o CBD – embora longe de ser totalmente compreendido – foi amplamente estudado por sua segurança e eficácia em uma variedade de sintomas e condições. Os produtos de CBG são acessíveis através da mesma lacuna regulatória, mas não há pesquisas suficientes para avaliar a segurança e eficácia dos produtos dominantes de CBG, especialmente quando se trata de interações medicamentosas.

Como funciona o CBG?

Ao contrário do THC, que interage principalmente com os receptores do sistema endocanabinoide, o CBG produz a maior parte de seus efeitos ligando-se a outras famílias de receptores, como os TRPs e os PPARs. Isso é importante porque é uma das razões pelas quais o CBG pode produzir efeitos tão diferentes do THC.

Alguns dos receptores com os quais o CBG interage são de interesse para o tratamento de doenças neurodegenerativas e metabólicas, mas outros podem realmente causar interações medicamentosas com medicamentos que tratam doenças como a depressão. A pesquisa sobre como o CBG funciona ainda está em andamento e é bastante complexa, mas aqui está uma revisão simplificada sobre o que a ciência sabe até o momento.

CBG e os PPARs

Os PPARs (abreviação de Peroxisome proliferator-activated receptor – receptores ativados por proliferação de peroxissomos) são um grupo de receptores com três tipos principais – PPAR alfa, gama e delta. O PPAR-gama desempenha um papel crucial no funcionamento do sistema nervoso e também está envolvido nos mecanismos de doenças como diabetes e obesidade. Na verdade, as empresas farmacêuticas produzem medicamentos destinados a tratar o diabetes (tipo II) que atuam nesse receptor, mas os medicamentos foram associados a efeitos colaterais graves.

CBG é sugerido para ser um agonista (ativador) do PPAR-gama, o que pode explicar seu papel potencial no tratamento de doenças neurodegenerativas, como doença de Alzheimer, doença de Parkinson, esclerose múltipla e seu potencial para o tratamento de doenças metabólicas como diabetes e colesterol alto.

CBG e o adrenoceptor alfa-2

CBG é um potente agonista (ativador) do alfa-2-adrenoceptor, o que significa que pode ter potencialmente utilidade como anti-hipertensivo, sedativo e analgésico. Ele também pode desempenhar um papel potencial na melhoria do funcionamento do córtex pré-frontal prejudicado, o que é relevante para condições como TDAH, transtornos de tiques, PTSD e demência. Embora tudo isso seja empolgante, é importante notar que a compreensão dos pesquisadores desse mecanismo ainda é muito limitada, e o CBG não foi formalmente testado para nenhuma dessas condições.

Todas as pesquisas existentes sobre CBG são preliminares e baseadas exclusivamente em modelos animais ou estudos de laboratório feitos em tubos de ensaio. Ainda não está claro para os cientistas exatamente como o CBG interage com os três tipos diferentes de adrenoceptores alfa-2, conhecidos como subtipos. Como consequência, a eficácia do CBG para essas condições permanece desconhecida. Além disso, não se sabe se o CBG produz efeitos adversos relacionados aos receptores alfa-2, como alterações na pressão arterial, sedação ou interações com outros medicamentos cardiovasculares.

Como CBG funciona com receptores TRP

Os TRPs (Potencial Receptor Transiente) são uma grande e diversa família de receptores que geralmente estão envolvidos na detecção e sensação de mudanças de temperatura. Os TRPs podem interagir com fitocanabinoides como THC e CBD, e outros produtos químicos vegetais como capsaicina e mentol. A importância desses receptores ainda está sendo estudada, mas o CBG pode ativar alguns deles em vários graus (TRPV1, 2, 3 e 4 e TRPA1) e bloquear outros (TRPM8). Algumas das atividades são semelhantes à maneira como o CBD interage com esses receptores e podem explicar como o CBG pode ajudar potencialmente no tratamento da dor crônica, inflamação e saúde da pele.

receptores TRP

Interação de CBG com serotonina

Você deve ter ouvido falar da serotonina, um importante neurotransmissor que desempenha um papel na regulação de funções como humor, felicidade, sono e fome. A serotonina é particularmente conhecida pelo papel que desempenha em condições como a depressão e o grupo de medicamentos SSRI (inibidores seletivos da recaptação da serotonina) que a influenciam. Um dos muitos receptores aos quais a serotonina se liga é o 5-HT1a, com o qual muitos endocanabinoides e fitocanabinoides como o CBD e o CBG também interagem.

CBG é um potente antagonista (bloqueador) de 5-HT1a, o que significa que pode alterar facilmente os efeitos de outros medicamentos psiquiátricos. No entanto, a forma como o CBG influencia a serotonina não foi estudada adequadamente. Alguns pesquisadores temem as consequências potencialmente perigosas de produtos com alto teor de CBG estarem disponíveis ao público antes que suas interações e efeitos medicamentosos sejam melhor compreendidos.

Como o CBG funciona nos receptores canabinoides

O CBG pode se ligar aos dois principais receptores de canabinoides (CB1 e CB2), mas essa interação parece ser um tanto fraca e produz efeitos farmacológicos complexos. GPR-55, um receptor que está sendo cada vez mais chamado de “receptor CB3 em potencial”, mas atualmente não há conhecimento sobre a atividade do CBG nesse receptor.

Os benefícios do CBG

CBG apresenta um rico perfil farmacológico que pode potencialmente ter muitos benefícios para doenças neurodegenerativas como doença de Huntington, ALS, doença de Parkinson e MS. Também pode ser de grande benefício em condições inflamatórias, como colite ou doença de Crohn, e também em condições metabólicas como diabetes e obesidade. Mais uma vez, é extremamente importante notar que a pesquisa sobre CBG ainda é muito nova e muito limitada. As evidências científicas de sua eficácia e segurança em humanos são praticamente inexistentes.

A melhor maneira de usar as informações a seguir é ao tentar encontrar a variedade certa para você. Se o CBG mostrar potencial para a condição que você está tratando, pode fazer sentido priorizar os produtos de cannabis com algum CBG. No entanto, a menos que prescrito por um profissional de saúde especializado em terapia com cannabis, você deve evitar o uso de produtos com predominância de CBG, como óleo de CBG, a fim de evitar possíveis contra-indicações e interações medicamentosas.

Homem em tratamento com cannabis para ansiedade

O potencial do CBG como um neuroprotetor

O CBG está sendo estudado atualmente como um potencial tratamento para condições neurodegenerativas, como doença de Huntington, ELA, doença de Parkinson e esclerose múltipla. Os cientistas acreditam que as propriedades neuroprotetoras do CBG (mas também do CBD) são mediadas principalmente por meio de sua interação com o receptor PPARγ (que não é tecnicamente parte do sistema endocanabinóide).

  • CBG e doença de Huntington

A pesquisa sobre CBG como tratamento para a doença de Huntington mostra que pode ser benéfico na prevenção da morte do neurônio estriatal (um dos principais sintomas da doença de Huntington), reduzindo a inflamação e melhorando a atividade motora. Alguns estudos foram mais promissores do que outros – mas os estudos foram feitos em culturas de células ou em modelos animais e ainda não foram examinados em humanos.

  • CBG e ALS

Em um estudo de 2018, um derivado do CBG (chamado VCE-003.2) foi capaz de melhorar os sintomas neuropatológicos e atrasar a progressão da ELA em camundongos. A aplicabilidade em humanos ainda não é clara, mas acredita-se que os efeitos do PPAR-gama e antioxidantes sejam os responsáveis.

  • CBG e doença de Parkinson

Usando o mesmo derivado de CBG, os autores de outro estudo de 2018 foram capazes de reduzir três tipos de inflamação associados à doença de Parkinson em camundongos. Novamente, este estudo foi feito em ratos e não está claro se isso se traduz em humanos.

  • CBG e MS (esclerose múltipla)

Um estudo de 2012 que analisou o potencial de um derivado de CBG no tratamento da esclerose múltipla concluiu que ele poderia potencialmente tratar a inflamação relacionada à EM no sistema nervoso central e ajudar a restaurar o comprometimento da função motora. Mais uma vez, acredita-se que o CBG faz isso reduzindo a inflamação e evitando o dano celular como um antioxidante, mas por enquanto só sabemos que é eficaz em ratos.

CBG pode ajudar com doenças gastrointestinais

  • CBG e colite

um estudo de 2013 sobre CBG para doenças inflamatórias intestinais concluiu que “CBG pode representar uma nova oportunidade terapêutica em IBD”. Os pesquisadores sugeriram que o CBG pode ser eficaz na prevenção e no tratamento da colite. Um estudo de 2020 examinou a eficácia do CBG vs CBD para o tratamento da colite em camundongos, descobrindo que o CBG foi eficaz, mas o CBD não. Os cientistas então compararam o CBG e o óleo de peixe, CBD e óleo de peixe, ou todos os três juntos, e descobriram que CBG combinado com óleo de peixe era mais eficaz do que CBD e óleo de peixe, e que todos os três juntos eram os mais eficazes.

  • CBG e quimioterapia associada à perda de peso e de apetite

Existem estudos que mostram que o CBG pode aumentar o apetite e reduzir a perda de peso associada à quimioterapia, embora em um estudo anterior o CBG não tenha demonstrado nenhum impacto no apetite. Portanto, o júri ainda está decidindo quando se trata de apetite e CBG. Uma das razões pelas quais esta é uma direção de pesquisa interessante é porque, ao contrário do THC, que está sendo visto como uma terapia para ajudar na perda de peso, o CBG não deixará você chapado.

Médico realiza exame abdominal

CBG para diabetes e hipertensão

Diabetes e hipertensão desempenham um papel importante na síndrome metabólica, uma condição que afeta até um terço dos americanos adultos. A síndrome metabólica é descrita como uma combinação de glicose elevada, obesidade, hipertensão e colesterol alto, e o CBG mostra sinais como um tratamento potencial para resistência à insulina e hipertensão. Embora a evidência seja preliminar, parece muito promissora.

  • Hipertensão

CBG é atualmente o único canabinoide conhecido por ativar os receptores alfa-2, o que pode significar que ele tem um papel no tratamento da hipertensão.

  • Resistência à insulina

Um estudo de 2020 mostrou que o CBG e a combinação de CBG e CBD podem aumentar potencialmente a sensibilidade à insulina. Isso faz sentido, visto que o CBG é um ativador do PPAR-gama e já existem medicamentos aprovados pela FDA com esse mesmo mecanismo para o tratamento do diabetes.

Como usar o CBG

Mulher medica-se com extrato de cannabis

Há um grande potencial para os usos terapêuticos do CBG, mas a ciência ainda tem um longo caminho a percorrer antes de termos informações confiáveis ​​sobre como e quando usar os produtos de CBG. Quer se trate de óleo de CBG, flor de cannabis ou qualquer outro produto dominante em CBG, você deve ter cuidado. Deve-se ter cuidado especial se você tomar medicamentos prescritos, pois as potenciais interações medicamentosas, as recomendações de dosagem e as contra-indicações do CBG ainda estão sendo investigadas.

Muitos quimiotipos de maconha no mercado hoje têm níveis variados de CBG. Se você já tem um regime de cannabis para uma das condições que poderiam ser ajudadas pelo CBG (doença de Huntington, ELA, doença de Parkinson, MS etc.), faz sentido procurar produtos ou cepas que tenham pelo menos algum CBG. No entanto, a menos que você tenha consultado um profissional de saúde com experiência em cannabis, você provavelmente deve evitar produtos nos quais o CBG é o ingrediente ativo principal.

Com potencial para tratar muitas doenças incuráveis ​​e onerosas, o cannabigerol é de fato um dos canabinoides mais interessantes que existem. No entanto, por enquanto, a pesquisa ainda é muito limitada para uma boa orientação sobre seu uso. Até que sua segurança e eficácia sejam mais compreendidas, você pode querer esperar antes de “entrar no trem” do CBG.

Deixe um comentário

Você Há de Gostar

Mais Artigos