Inscreva-se

Home Planta Anatomia da planta da cannabis: guia para iniciantes
dez 27, 2020 9 min de leitura

Anatomia da planta da cannabis: guia para iniciantes

author
por George Mouratidis

Agora que a maconha está se tornando cada vez mais aceita pelo mundo, muitos “cannasseurs” (os connoisseurs da cannabis) estão ansiosos para experimentar o cultivo em ambientes fechados. No entanto, uma vez que as habilidades de cultivo de cannabis foram escondidas por tantas décadas, muitos entusiastas não sabem muito sobre como cultivar sua erva favorita. Acredite se quiser, muitos cultivadores de primeira viagem não sabem lá muita coisa sobre as partes da planta de cannabis, além das folhas e flores.

Antes que alguém comece a germinar seu primeiro lote de sementes, é importante repassar os fundamentos da biologia desta amada planta. Um conhecimento profundo das diferentes partes da planta da maconha aumentará suas chances de experimentar um cultivo bem-sucedido logo na primeira tentativa.

Anatomia e morfologia da cannabis

Plantas de cannabis
Conhecer as diferentes partes da cannabis o ajudará a cultivar melhor a planta.

Machos x fêmeas: determinando o sexo da cannabis

A característica crucial da planta que precisa ser compreendida pelos cultivadores iniciantes: a maconha não é unissex. Dependendo da semente usada, do ambiente e das técnicas de cultivo, você pode acabar com uma planta macho, fêmea ou hermafrodita. A menos que você queira criar suas próprias sementes em casa, você deve se concentrar no cultivo de plantas femininas.

Apenas as plantas femininas não polinizadas produzem as flores ricas em canabinoides tão apreciadas por consumidores de maconha. Depois que uma planta fêmea é polinizada, ela concentrará sua energia na produção de sementes, em vez de desenvolver botões potentes. E como ninguém quer fumar botões com sementes e de baixa qualidade, certifique-se de manter o pólen longe de suas fêmeas.

Normalmente, os primeiros sinais do sexo de uma planta de cannabis aparecem após seis semanas de crescimento. Mantenha sua atenção focada entre a haste principal da planta de cannabis e os ramos (os nós) para perceber as primeiras indicações de gênero.

Nessas junções, você deve notar o início dos sacos de pólen ou estruturas semelhantes a cabelos, chamadas pistilos. Não é novidade que os sacos de pólen estão associados às plantas machos, enquanto os pistilos aparecem nas fêmeas.

Em alguns casos, você pode notar uma combinação de sacos de pólen e pistilos. Isso indica que você tem uma planta hermafrodita à sua frente.

Se o seu objetivo é produzir flores mais potentes em canabinoides, você deve remover de seu cultivo todas as plantas machos e hermafroditas o mais rápido possível. Uma vez que o pólen é liberado no ar, ele se agarra aos pistilos das plantas fêmeas próximas e elas produzem sementes em vez de grandes botões.

Como você identifica uma semente de cannabis de alta qualidade?

Sementes de cannabis de diferentes cores e qualidades
As sementes de cannabis podem ter diferentes cores e tamanhos. (Algirdas Gelazius/123rf)

Ainda tratando de sementes, vamos continuar nossa exploração sobre a morfologia da cannabis, olhando para esses organismos unicelulares. 

Como qualquer outra flor, a semente de cada planta de cannabis contém o “mapa genético” para sua futura maturação. Na natureza, geralmente há uma chance de 50% das plantas de maconha expressarem sementes masculinas ou femininas. Não muito tempo atrás, a única maneira de cultivar plantas femininas era plantar todas as suas sementes e eliminar os machos antes que eles pudessem polinizar suas fêmeas. Desde a década de 1980, no entanto, os cultivadores profissionais têm usado sementes feminizadas que eliminam a necessidade de adivinhar o gênero de suas variedades.

Uma vez que essas sementes contêm o DNA da planta, você deve garantir que está partindo de uma genética saudável. Aqui estão alguns aspectos que você deve procurar em sementes saudáveis:

  • As sementes saudáveis ​​terão uma cor marrom escura, enquanto as sementes imaturas parecerão verdes.
  • Quando pressionadas, as sementes de cannabis saudáveis ​​devem ser firmes, mas não quebradiças. Sementes que quebram facilmente ou ficam moles não são adequadas para germinação.
  • Sob a luz, as sementes saudáveis ​​devem apresentar brilho.

O sistema da raiz

Conforme você germina suas sementes sob toalhas de papel úmidas, você deve começar a perceber o primeiro órgão da planta da cannabis emergir: as raízes. Neste estágio inicial, você verá apenas a raiz principal central surgindo. Uma vez transplantada para o solo, esta raiz principal crescerá verticalmente no solo e irá garantir estabilidade ao caule de sua planta.

No entanto, as raízes não têm apenas a tarefa de manter sua planta estável: elas desempenham um papel crucial na absorção de nutrientes e água do solo. Pesquisas recentes sugerem que redes de raízes de cannabis interagem com várias bactérias benéficas no solo.

À medida que a planta de cannabis amadurece, raízes laterais mais delicadas se ramificam a partir da raiz principal central. Destas raízes laterais, surgirão ainda fios de raiz menores, os quais ajudam a absorver e transportar nutrientes essenciais para a planta de cannabis.

Como essas raízes se ramificam de forma ampla, os cultivadores devem transplantar sua planta de maconha à medida que ela amadurece. Plantas de cannabis que não têm espaço suficiente correm o risco de se tornarem “root-bound”. Sinais de alerta que sua planta ficou “root-bound” incluem: solo que rapidamente se resseca, folhas amareladas e plantas instáveis.

Cotilédones: os primeiros sinais de vida

Infelizmente, os produtores não podem observar as raízes de suas plantas de cannabis se ramificando, já que essas raízes estão no subsolo e longe dos olhos. No entanto, os cultivadores saberão que tudo está indo bem assim que surgirem alguns cotilédones.

Essas minúsculas folhas verdes rompem o solo à medida que sua muda se desenvolve e, eventualmente, caem assim que estruturas maiores começam a se desenvolver.

O caule da cannabis e como treiná-lo

O caule está para a planta da cannabis assim como a coluna está para os humanos. Este órgão vertical espesso suporta novos ramos e fornece estabilidade conforme sua planta de cannabis cresce. Além disso, o caule central extrai nutrientes essenciais e água do solo e os leva até a parte superior da planta.

Se deixar crescer por conta própria, o caule de uma planta de cannabis crescerá reta, como o de uma árvore de Natal. Embora não haja nada de “errado” em cultivar sua planta dessa maneira, isso não tira o máximo proveito de seu potencial. Além disso, se você estiver cultivando em locais apertados, pode não ser capaz de cultivar plantas altas sem manipulá-las um pouco.

Felizmente, existem muitas técnicas de treinamento conhecidas para aumentar a produção e fortalecer a haste central. Indiscutivelmente, o método mais importante envolve dobrá-la com fio para aumentar a cobertura de luz. Frequentemente chamado de treinamento de baixo estresse, ou LST, essa técnica de dobra pode aumentar consideravelmente o seu rendimento com um esforço mínimo.

Ramos, nós e entrenós: as “estações de conexão” da planta de cannabis

Como mencionado brevemente acima, muitos galhos se projetarão do caule central conforme sua planta amadurece. As junções onde essas ramificações se conectam à haste são chamadas de nós. Os botânicos usam o termo “entrenós” para descrever o espaço entre cada nó.

Os cultivadores costumam olhar para esses nódulos durante o estágio vegetativo para verificar se a planta da maconha é fêmea. Uma planta de cannabis fêmea deve ter apenas protrusões brancas e peludas conhecidas como pistilos. Se você estiver vendo pequenos sacos de pólen, sua planta provavelmente é macho ou hermafrodita e deve ser descartada imediatamente.

Você também pode determinar se uma planta de cannabis é uma variedade baseada em indica ou sativa olhando os entrenós. Normalmente, as cepas que mais tendem a indica terão internódios mais curtos do que as sativas esguias. Você também descobrirá que as cepas do tipo indica tendem a ter mais nódulos do que as cepas sativa.

Folhas de leque x folhas de açúcar: para que servem?

Botões de flor de cannabis
Um cultivador experiente pode descobrir tudo sobre a planta a partir de suas folhas. (The Cannigma / Anthony Travagliante)

Sem dúvida, as folhas de leque são o emblema da cultura canábica. Encontradas em todos os ramos, as folhas verdes finas e pontudas desempenham um papel significativo na conversão de luz e CO2 em energia. Como um bônus, essas folhas são indicadores fantásticos da saúde geral de uma planta de cannabis. Sempre que os cultivadores perceberem que as folhas de leque estão caindo ou ficando amarelas, pode apostar que há algo errado, seja na temperatura, água ou níveis de nutrientes.

Mesmo que as folhas de leque sejam tão icônicas na cultura da cannabis, elas não são tão valiosas em termos de efeitos. Embora você possa extrair alguns canabinoides dessas folhas, a maioria das pessoas simplesmente as apara e elimina durante a colheita.

No entanto, os cultivadores devem procurar por folhas de açúcar nas flores de suas plantas de cannabis. Embora não sejam tão grandes quanto as folhas em leque, as folhas de açúcar desempenham um papel significativo no processo de fotossíntese. Como o nome sugere, elas têm uma cobertura que parece açucarada, de tricomas ricos em canabinoides.

Folhas de açúcar não têm a mesma quantidade de tricomas que você encontrará nos próprios botões, mas isso não significa que folhas de açúcar não têm seu valor. Muitas pessoas gostam de produzir extratos ou comestíveis a partir delas.

Cálice e bráctea

Indiscutivelmente, alguns dos termos mais usados ​​indevidamente na morfologia da planta de cannabis são “cálice” e “bráctea”. Embora ambas as estruturas protejam o local de produção de sementes da planta fêmea (o óvulo), elas não são a mesma coisa.

Muitos cultivadores mencionam o cálice para referir-se à pequena folha em forma de lágrima que cobre o óvulo, a qual é chamada bráctea. As brácteas são uma das partes mais valiosas de uma planta de maconha porque produzem uma densa camada de tricomas (bem pegajosos!).

Embora você possa ver facilmente as brácteas na parte inferior de sua planta, é realmente impossível ver as células do cálice a olho nu. Essas minúsculas estruturas protetoras também cobrem a semente da planta feminina de maconha.

A propósito, uma vez que a bráctea protege o local reprodutivo da planta feminina, você deve encontrar uma grande concentração de pistilos semelhantes a pêlos nas proximidades. Como já mencionamos, os pistilos são as estruturas finas que capturam o pólen das plantas masculinas.

Curiosamente, você pode determinar a idade de sua planta de maconha observando as cores desses pistilos. No início, os pistilos parecerão brancos brilhantes, mas mudarão para amarelo, âmbar e marrom à medida que a planta amadurece. Na maioria dos casos, é uma boa ideia pensar em colher maconha quando a maioria dos pistilos começam a mudar para o estágio amarelo e âmbar.

A estrela do show: King Cola

Cultivo interno de cannabis
Essas plantas amadureceram incrivelmente e podem produzir colas grandes (Shutterstock)

Depois de revisar todas as informações acima, você pode estar se perguntando: “Então, qual parte da planta da maconha eu fumo?” Embora seja possível, tecnicamente, fumar as folhas de açúcar, quando as pessoas falam sobre fumar maconha estão na verdade se referindo às colas.

Colas são densos aglomerados de flores que brotam do caule principal e de vários ramos. Comumente chamadas de “botões”, as flores de cannabis contém as maiores concentrações de canabinoides. Esses botões também contêm a grande parte dos terpenos aromáticos que dão às variedades de cannabis seu cheiro e sabor distintos.

A cola de cannabis mais significativa está localizada na parte superior da haste central e às vezes é chamada de cola apical. Se você deixar sua planta de cannabis crescer naturalmente, esta cola irá dominar outros locais de botões em termos de tamanho e potência. No entanto, se você usar técnicas de treinamento como topping, scrogging ou LST, poderá aumentar o tamanho e a potência de vários pontos de cola.

Use tricomas para cronometrar sua colheita

Tricomas da cannabis
Os tricomas que cobrem as flores de cannabis e as folhas de açúcar são os lugares em que se encontram a maior parte dos canabinoides. (Shutterstock)

Para entender melhor por que os botões são tão valiosos, você precisa saber um pouco sobre os tricomas. Dentro dessas partes pegajosas, você encontrará todos os canabinoides e terpenos mais desejados. Sem eles, fumar cannabis não teria nenhum sabor ou efeitos psicoativos.

Como esses tricomas são pequenos, os cultivadores costumam usar uma lupa de joalheiro para examiná-los antes da colheita. No início da fase de floração, os tricomas nos botões devem ter uma aparência translúcida. No entanto, nas próximas semanas, você notará que esses tricomas se transformam em uma tonalidade branco leitosa que eventualmente se transforma em laranja avermelhado.

Geralmente, você deve colher seus botões de cannabis quando a maioria dos tricomas apresenta uma cor branca leitosa. Esta cor indica que o canabinoide psicoativo, o THC, está em sua potência máxima. Se você adiar a colheita até que a maioria dos tricomas ganhe cor âmbar, sua planta terá traços mais elevados do canabinoide CBN. Embora os cientistas ainda não saibam muito sobre CBN, alguns consumidores afirmam que as cepas colhidas tardiamente têm fortes efeitos sedativos.

Revise a morfologia da planta de cannabis antes de seu primeiro cultivo

Embora você sempre possa se aprofundar no campo da morfologia da planta de cannabis, as descrições acima devem lhe dar uma boa visão geral. Para um cultivo bem-sucedido, analise com antecedência as fotos da variedade escolhida. Ao compreender melhor a biologia fascinante desta planta, você se sentirá mais confortável ao lidar com os problemas mais comuns do cultivo.

Deixe um comentário