Inscreva-se

set 22, 2019 11 min de leitura

A Cannabis Pode Ajudar no Tratamento da Depressão?

author
por Emily Earlenbaugh, PhD.
Revisão médica realizada por Roni Sharon, MD

Sistema Endocanabinoide

Quando se trata de depressão, os cientistas notaram que o sistema endocanabinoide pode desempenhar um papel importante na regulação do nosso humor. Esse sistema é encontrado em todo o corpo humano, assim como em outros mamíferos, ajudando-o a manter a homeostase – um estado saudável de equilíbrio interno. 

O sistema endocanabinoide consiste em diferentes componentes combinados. Primeiro, os produtos químicos naturais produzidos pelo corpo humano chamados endocanabinoides. Estes então se ligam aos receptores CB1 e CB2 para ativar e modular uma variedade de funções como:

  • Sono
  • Dor 
  • Inflamação
  • Fome
  • Energia
  • Controle muscular
  • Resposta ao estresse
  • Construção de memória
  • Humor


As enzimas, a última peça deste importante sistema, quebram os endocanabinoides para que possam ser eliminados do corpo, evitando seu acúmulo.  

Embora esse sistema interno seja completamente funcional em humanos saudáveis e em outros mamíferos, ele também pode ser estimulado por alguns dos produtos químicos ativos da cannabis, especificamente canabinoides como o THC ou o CBD. Esses produtos químicos possuem uma impressionante semelhança, em termos de sua estrutura química, com nossos endocanabinoides naturais. Portanto, quando ingeridos, esses produtos químicos também se ligam ao CB1 e CB2 na ativação dos efeitos do sistema endocanabinoide. É por isso que a cannabis tem uma variedade tão ampla de usos medicinais. Na verdade, ela estará estimulando um sistema natural que modula esses efeitos. 

Pesquisas sugerem que a ativação desses receptores endocanabinoides pode ser particularmente útil em relação à depressão, isso porque o sistema endocanabinoide está envolvido na regulação de nosso humor, e os cientistas acreditam que os receptores CB1, em particular, desempenham um grande papel na ocorrência da depressão. 

Existem algumas razões pelas quais os pesquisadores acreditam nessa tese. Por um lado, existem receptores CB1 distribuídos em todas as partes do cérebro associadas à depressão. Além disso, estudos em animais observaram que pacientes com depressão apresentaram comprometimento no funcionamento do sistema endocanabinoide. Estudos com roedores, por exemplo, revelaram que o bloqueio da ativação do receptor CB1 leva ao aumento dos sintomas depressivos.

Resultados semelhantes também foram encontrados nos testes em humanos. O Rimonabant, por exemplo, é um medicamento comercializado na Europa como inibidor de apetite e atua bloqueando a atividade do receptor CB1. Como este receptor está associado com a nossa resposta à fome, os cientistas esperavam poder reduzir o apetite bloqueando-o. A droga teve que ser retirada do mercado porque muitos dos pacientes que a utilizavam desenvolveram sintomas depressivos e de ansiedade. Portanto, bloquear o CB1 em animais e humanos parece produzir um mesmo efeito de alteração no humor: aumento da depressão. 

A partir disso, os pesquisadores passaram a estudar se a estimulação do CB1 poderia ter propriedades semelhantes aos antidepressivos. Um estudo com roedores revelou que doses baixas de uma substância ativadora de CB1 aumentavam a atividade antidepressiva e as respostas à serotonina em faixas semelhantes a um antidepressivo ISRS (Inibidores Seletivos da Recaptação da Serotonina). No entanto, o mesmo estudo constatou que doses altas tiveram efeito oposto. Segundo os autores deste estudo, isto confirma o fato de que o CB1 deve ser um alvo para o desenvolvimento de novos antidepressivos e que fitocanabinoides podem constituir um tratamento útil. Afinal, o CB1 pode ser estimulado por canabinoides. 

Ainda assim, dada a complexa relação entre dose, ativação do CB1 e depressão, são necessárias muito mais pesquisas para confirmar a teoria de que a cannabis pode ajudar na depressão.

Pesquisa

É forte a evidência de que o humor e a depressão, pelo menos parcialmente, são regulados pelo sistema endocanabinoide. Ainda assim, precisamos examinar as pesquisas mais profundamente para entender como os tratamentos com cannabis podem afetar as pessoas com depressão – tanto a curto como a longo prazo. 

Para começar, está claro que muitos pacientes já estão usando a cannabis para tratar a depressão. Por exemplo, uma pesquisa no Reino Unido, de 2002, revelou que 22% das pessoa com depressão estavam recorrendo à planta. Outro estudo, com pacientes de cannabis de uso medicinal, de 2016, no Estado de Washington, atestou que metade dos entrevistados relatou usar a cannabis contra a depressão. Em geral, esses pacientes mencionaram que ela os ajudava com seus sintomas depressivos. 

Enquanto pacientes usuários da cannabis relatam melhora de seu quadro depressivo, a pesquisa científica sobre esse tópico ainda está em estágios muito iniciais e, até agora, tem sido bastante inconclusiva. Ainda assim, certamente existem alguns estudos que apoiam a tese de que a cannabis pode ajudar pessoas com depressão. 

Um estudo de cannabis entre casais heterossexuais descobriu que aqueles que a usavam eram mais propensos a fazê-lo pela manhã caso se sentissem mal-humorados ao acordar. O uso de cannabis melhorou seu humor, com um efeito mais positivo imediatamente após o uso. Isso sugere que o consumo da cannabis pode ajudar aqueles que precisam de um impulso positivo no humor de curto prazo, especialmente quando estão presos em um estado depressivo. 

Outro estudo, analisando especificamente o CBD, sugeriu que ele poderia ser de ajuda particularmente na depressão. Este estudo analisou os efeitos do CBD no combate à depressão em roedores e constatou que uma dose única poderia induzir a rápidos e sustentados efeitos do tipo antidepressivo

Um artigo de 2016 constante da literatura relativa ao uso de cannabis na depressão também relatou resultados positivos. Seus pesquisadores descobriram nove estudos sobre o uso de cannabis para depressão, com sete deles mostrando que o seu uso causou melhorias dos sintomas. Ainda assim, os autores notaram que essas melhorias foram observadas principalmente em estudos de pacientes com outros problemas de saúde, nos quais a depressão era comórbida. Portanto, não está claro se a mudança de quadro está relacionada às outras condições médicas e não diretamente à depressão.  

Um outro estudo analisou dados de um aplicativo desenvolvido para ajudar os pacientes a acompanhar os efeitos de seu tratamento com cannabis. Usando dados de 3.151 sessões, os autores descobriram que seus usuários notaram uma redução de 50% em seus sintomas. Apenas duas baforadas de cannabis foram suficientes para produzir alívio da depressão, e o efeito foi mais pronunciado em pacientes que usavam cannabis com alto CBD e baixo THC. Esses efeitos percebidos não diminuíram com o uso contínuo. 

Ainda assim, apesar dos resultados positivos, os pesquisadores também descobriram que, com o uso de cannabis, os sintomas depressivos tendem a piorar com o tempo. Esse resultado também foi observado em outros estudos, com o uso prolongado de cannabis associado ao agravamento dos sintomas depressivos. Além disso, um estudo clínico descobriu que reduzir o uso de cannabis pode resultar em menos sintomas de depressão.

Mas nem todos os estudos mostram essa correlação: um amplo estudo sueco descobriu que a associação entre cannabis e depressão desapareceu quando fatores de confusão foram contabilizados. Um estudo israelense encontrou resultados similares, relatando que essa associação pode ser devida mais a fatores sociodemográficos e clínicos do que ao uso de cannabis. 

Além disso, a pesquisa sugere que, no caso de depressão, pacientes que usam a cannabis sentem-se melhor do que aqueles que recorrem a opioides. Para aqueles que tratam depressão e dor crônica, a cannabis parece ser a opção com menos efeitos colaterais depressivos.

Tratamento com Cannabis

Com base na pesquisa citada acima, há uma boa chance de que o uso de canabinoides para ativar o seu sistema endocanabinoide possa ajudar a aliviar temporariamente os sintomas de depressão. Opções de doses altas de CBD podem ser particularmente úteis para isso, mas tanto o THC quanto o CBD parecem oferecer aumentos de curto prazo na positividade e alívio dos sintomas de depressão. Ainda assim, é importante observar que as pesquisas sugerem que esses efeitos dependem da dose. Doses baixas podem melhorar a depressão, enquanto doses altas podem exacerbá-la.

Além disso, algumas pesquisas apontam para a possibilidade de que o uso prolongado de cannabis leve ao agravamento dos sintomas de depressão. Embora haja uma inconsistência entre os resultados desses estudos e eles possam estar relacionados a outros fatores que não a cannabis, ainda é muito cedo para afirmar que o uso de cannabis não acarretará agravamento dos sintomas de depressão. 

Ainda assim, se você tiver outros problemas de saúde relacionados à sua depressão, a cannabis pode ser uma opção de tratamento melhor do que as outras. Pacientes com dor crônica, por exemplo, podem obter melhores resultados em relação à depressão com o uso de cannabis do que com opioides.

Isenção de Responsabilidade

O conteúdo do site The Cannigma tem fins puramente informativos. Não substitui aconselhamento médico profissional, diagnóstico ou tratamento. Sempre consulte um médico profissional experiente com conhecimento em cannabis antes de iniciar um tratamento.

Deixe um comentário

Índice de A-Z