Forgot your password?

Inscreva-se

Home > Fisiologia > Cannabis e Sexo: O Que a Ciência Tem a Dizer
322
82
10 min

Cannabis e Sexo: O Que a Ciência Tem a Dizer

A cannabis é consumida por cerca de 147 milhões de pessoas em todo o mundo. Enquanto muitos governos listam os vários efeitos colaterais indesejados como razões para não legalizar a planta, aqueles que a usam regularmente relatam efeitos muito agradáveis: a melhor experiência sexual e, em alguns casos, maior intensidade nos orgasmos. Neste artigo, veremos o que atestam relatórios com e sem base científica sobre a cannabis e a função sexual.

Por ser uma atividade tão natural, seria de se imaginar que a prática do sexo ocorresse sempre com facilidade. No entanto, 43% das mulheres e 31% dos homens sofrem de algum tipo de disfunção sexual, como dificuldades em atingir o orgasmo ou ejaculação precoce. Cansaço, estresse, ansiedade  ou apenas puro tédio podem afetar negativamente nossa libido, fazendo com que muitos de nós prefira apenas ler um bom livro na cama em lugar de qualquer outra atividade. 

Uma das maneiras de medir a função sexual é analisando a frequência com que praticamos o sexo (embora muitos contestem essa ideia), e as estatísticas apontam que os usuários de cannabis têm atividade sexual mais frequente e sem nenhuma restrição de saúde. Considerando que a função sexual se refere à qualidade e não à quantidade, os usuários de cannabis também relatam que consumir a planta antes do sexo melhora a experiência na hora de fazer amor. 

Cannabis e Sexo: Por Que Eles se Complementam

As pessoas consomem cannabis, seja de uso recreativo ou medicinal, por várias razões, mas a maioria compartilha a mesma experiência: seu consumo tende a criar sensações de relaxamento e bem-estar.

Isso é causado, provavelmente, por dois compostos principais da cannabis: o tetra-hidrocanabinol (THC) e o canabidiol (CBD). O THC é responsável pela sensação de “high” associada à cannabis de uso recreativo, sendo esse uso o mais estudado em relação à função sexual. Portanto, é de se supor que os efeitos relatados pelos usuários de cannabis, como a desaceleração do tempo e a intensificação das sensações de prazer sexual, possam ser atribuídos ao THC dominante nas cepas consumidas.  

O CBD também pode ter um papel na melhora da função sexual. Muitas pessoas consomem o óleo de CBD como uma maneira natural de reduzir o estresse. De fato, estudos mostram que o CBD diminui a ansiedade e pode até aliviar a depressão ao ativar os receptores de serotonina 5HT1A do cérebro. Faz sentido: se estamos menos estressados, mais relaxados e felizes, nossa libido agradece. 

O Sistema Endocanabinoide e o Sexo

Uma razão biológica pela qual a cannabis pode melhorar a maneira como experimentamos o sexo é a sua relação íntima com o nosso sistema endocanabinoide (SE).

Nos anos 90, ao estudarem os efeitos do THC, cientistas encontraram uma vasta rede de receptores canabinoides (CB1 e CB2) por todo o corpo, além de produtos químicos naturais semelhantes à cannabis chamados endocanabinoides [anandamida, 2-AG e compostos endógenos relacionados: ácido araquidônico (AA), N-palmitoiletanolamina (PEA) e N-oleoletanolamina (OEA)]. Esses endocanabinoides são produzidos sob demanda sempre que uma situação de desequilíbrio é detectada no corpo; depois, concluído o trabalho de regulação homeostática, são decompostos por enzimas (FAAH e MAGL).   

O SE está envolvido na regulação de todas as principais funções biológicas; apetite, sono, humor, dor, saúde imunológica e, claro, a função sexual. Porém, ainda é cedo para compreender o envolvimento do SE na função sexual, e há pesquisas conflitantes.

Tomemos, por exemplo, o endocanabinoide anandamida, que deve seu nome à palavra sânscrita “ananda”, que significa felicidade. Estudos mostram que, quando nos exercitamos, os níveis de anandamida se elevam, causando a frequentemente relatada sensação de high dos corredores. Seria possível imaginar que a mesma coisa ocorreria durante o sexo. 

No entanto, um estudo medindo as concentrações de endocanabinoides em mulheres durante a excitação sexual, enquanto assistiam a vídeos eróticos, encontrou exatamente o contrário: a anandamida e o 2-AG diminuíram. Inversamente, cientistas encontraram em indivíduos saudáveis (homens e mulheres) que se masturbavam até o orgasmo níveis elevados de 2-AG, concluindo que “essa liberação do 2-AG tem seu papel na excitação e no orgasmo”. 

Como o THC estimula o SE pela ativação dos receptores CB1 e CB2, é provável que muitos dos benefícios sexuais relatados com relação à cannabis sejam derivados do THC. 

Estatísticas da Cannabis e da Função Sexual

Obter dados confiáveis sobre a função sexual humana em laboratório é uma tarefa bastante desafiadora. Portanto, atualmente a maioria dos estudos utiliza análises retrospectivas ou pesquisas. A investigação mais recente, e talvez mais aprofundada, se baseou em 373 mulheres com mais de 18 anos, metade das quais usuárias regulares de cannabis. 

Entre as mulheres que consumiram a cannabis antes do ato sexual, 68,5% relataram que sua experiência geral foi mais agradável, 60,6% consideraram seu desejo maior e 52,8% disseram ter orgasmos mais satisfatórios. Não apenas isso, comparadas com as mulheres que não usavam cannabis, as que a utilizavam antes do sexo tiveram 2,13 mais chances de ter orgasmos satisfatórios. 

Para os homens, os resultados são menos conclusivos. Um estudo que entrevistou um grupo de estudantes, dos quais 88% eram homens, encontrou evidências suficientes para sugerir que “alguns fumantes experientes obtiveram um aumento do prazer sexual enquanto usavam cannabis”. 

No entanto, quando se trata de função ou disfunção erétil devido ao uso da cannabis, não há uma resposta definitiva, com alguns indivíduos relatando uma função erétil superior, enquanto outros, justamente o oposto.

Embora a produção de testosterona talvez esteja mais relacionada à fertilidade do que à função sexual, ela também parece ser afetada pelo uso da cannabis; no entanto, os cientistas não concordam entre si se essa produção aumenta ou diminui. As pesquisas mais recentes, no entanto, parecem sugerir que a produção de testosterona é de fato aumentada.

Cannabis e Função Sexual: Prós e Contras

Possíveis prós Possíveis contras
– Maior prazer sexual
– Orgasmos melhores e mais satisfatórios
– 50% mais chances de atingir o orgasmo
– Aumento do desejo sexual  
– Quem fuma cannabis faz mais sexo
– Incerteza sobre o efeito do THC na
– Possibilidade de disfunção erétil

Portanto, podemos ter descoberto o segredo mais bem guardado dos usuários de cannabis: eles fazem sexo com mais prazer e mais frequentemente do que seus colegas que não a consomem. Agora, falando sério: se você tiver disfunção sexual persistente, é sempre aconselhável consultar um médico.

Conversation

Você Há de Gostar

Ansiedade, Depressão e Cannabis: Uma His...
A Diferença entre Cânhamo e Cannabis
Como é O Processo de Mofo da Cannabis?
Usuários de Cannabis Dirigem Pior?

Mais Artigos

“É muito errado criminalizar alguém por defender a própria s...
Estudo com Gêmeos Aponta: Cannabis Não Causa Declínio Cognit...
Applying for
BI ANALYST
Resume This field is required
I hereby agree and consent to The Cannigma’s Privacy Policy Read Privacy Policy
Please review our privacy policy.