Forgot your password?

Inscreva-se

A Cannabis Pode Ajudar no TEPT?

Visão Geral

Cada vez mais pessoas que sofrem de Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) estão recorrendo à cannabis como tratamento. Ela foi legalizada para uso medicinal no tratamento do TEPT em vários países e Estados dos EUA, e cresce continuamente o volume de estudos sobre como ela pode ajudar.

No entanto, a pesquisa ainda está em fase inicial e não há consenso na comunidade médica sobre a eficácia da cannabis em pacientes com TEPT. Apesar disso, muitos pacientes relatam que a cannabis os ajuda não apenas com sintomas primários, mas também no tratamento dos efeitos colaterais do TEPT, como distúrbios do sono e ansiedade.

Além disso, devido ao papel do sistema endocanabinoide na regulação da memória, alguns pesquisadores estão estudando maneiras através das quais a cannabis para uso medicinal poderia ajudar o cérebro a “substituir” memórias traumáticas.

O Sistema Endocanabinoide

O sistema endocanabinoide do corpo é composto por receptores endocanabinoides e canabinoides que atuam juntos para ajudar a manter o equilíbrio natural do corpo (homeostase) e podem afetar funções importantes como a construção da memória, a redução da inflamação, a fome, o controle muscular, o sono, o humor e a resposta à dor.

Os endocanabinoides são moléculas produzidas pelo corpo humano muito semelhantes às substâncias químicas ativas da cannabis, e atuam como mensageiros, enviando sinais aos receptores de canabinoides. Os receptores canabinoides, principalmente CB1 e CB2, que existem em todo o corpo humano, se ligam aos canabinoides para regular as diferentes funções corporais.

Os fitocanabinoides, canabinoides produzidos na planta de cannabis, também interagem com os receptores CB1 e CB2 no sistema endocanabinoide, produzindo muitos dos efeitos medicinais que observamos na planta de cannabis.

Quando se trata de TEPT, a ativação desses receptores pode ser particularmente útil. O sistema endocanabinoide desempenha um papel importante na resposta ao estresse e na construção da memória, que são fatores marcantes no TEPT.

Quando se trata de construção da memória, o receptor CB1 é responsável por um fenômeno chamado “extinction learning”. Esse processo, encontrado nos mamíferos, permite que novas informações substituam memórias antigas. Ao encobrir memórias traumáticas, o corpo pode experimentar novamente os estímulos que possam ter causado uma resposta de pânico anteriormente.

Para pacientes com TEPT e ansiedade extrema, essa função é prejudicada por uma deficiência de endocanabinoides, impedindo-os de encobrir as memórias traumáticas com novas memórias. De fato, os pesquisadores descobriram que o funcionamento endocanabinoide prejudicado após um evento indutor de estresse pode ser determinante em pacientes que desenvolvem distúrbios de ansiedade, a exemplo do TEPT.

Um professor de Psiquiatria de Yale, R. Andrew Sewell, teorizou que o estímulo de CB1 com canabinoides pode não apenas aliviar os sintomas de TEPT, mas também curar ativamente a condição, ao permitir que o extinction learning realmente ocorra e substitua memórias traumáticas. Ainda assim, sua pesquisa sobre o tema está em andamento, e apenas o tempo dirá se será possível demonstrar clinicamente sua teoria.

TEPT e Cannabis

A pesquisa sobre a relação entre cannabis e Transtorno de Estresse Pós-Traumático ainda está em fase inicial e há discordâncias entre os especialistas a respeito de sua aplicabilidade. O atraso se deve em grande parte ao status legal da marijuana e às limitações de pesquisa no passado. No entanto, hoje existem alguns estudos promissores.

Por um lado, as evidências sem base científica mostram que muitas pessoas que sofrem de TEPT usam, ou usaram, cannabis para ajudar a aliviar seus sintomas.

É possível acompanhar o apoio ao uso de cannabis medicinal entre pacientes com TEPT lendo os comentários enviados ao Departamento de Serviços de Saúde do Arizona (EUA), os quais exigem que o distúrbio seja incluído na lista de condições qualificadas para o uso de cannabis. O documento está repleto de citações de pessoas que sofrem de TEPT e que elogiam o uso da cannabis, tais como:

“Descobri que o uso de cannabis era mais benéfico do que os medicamentos prescritos que eu usava anteriormente.”

“A cannabis para uso medicinal me ajudou imensamente a lidar com o meu TEPT.”

“A marijuana é a única coisa que me devolveu minha vida e me capacitou a controlar meus sintomas.”

“Eu sofro de TEPT. Agora uso cannabis e não preciso mais tomar 10 comprimidos por dia. Está sendo transformador e agora posso aproveitar a vida novamente.”

Os cientistas levaram esses relatórios a sério e passaram a estudar as melhorias relatadas por portadores de TEPT. A metanálise de 2015 no American Journal of Health-System Pharmacy, por exemplo,  constatou que “um número substancial de veteranos militares com TEPT usa cannabis ou produtos derivados para controlar seus sintomas, com alguns pacientes relatando benefícios em termos de redução de ansiedade, controle da insônia e melhor capacidade de enfrentamento”. Este estudo também apontou que a cannabis aparentemente diminui a gravidade dos sintomas de TEPT.

É claro que, baseado em relatórios informais, é sempre difícil dizer o que é efeito placebo e o que realmente está ajudando um paciente. Por essa razão, é importante analisar o método utilizado pela pesquisa.

Em primeiro lugar, sabemos que a ingestão de cannabis pode diminuir reações de estresse naqueles que sofrem estímulos estressantes. Em um estudo, os cientistas aplicaram testes de estresse, como fazer cálculos em público ou mergulhar as mãos na água gelada, em indivíduos usuários e não usuários de cannabis. Os primeiros relataram menos estresse durante o teste do que os segundos. Ainda mais interessante, os resultados dos testes mostraram que os usuários de cannabis tinham menos cortisol em seu sistema (um indicador hormonal de estresse) do que aqueles que não usam cannabis.

Isso sugere que pessoas que sofrem de TEPT e que usam cannabis podem estar se beneficiando de respostas reduzidas ao estresse, o que poderia explicar os relatos de redução de sintomas.

Outra pesquisa analisou o uso de cannabis em pacientes com TEPT especificamente, e encontrou resultados semelhantes. Um estudo, por exemplo, descobriu que os sintomas de TEPT em pacientes que usam cannabis foram reduzidos em mais de 75% quando comparados com aqueles que não usavam cannabis.

Outro estudo constatou que o uso de cannabis levou a melhorias estatisticamente significativas na gravidade global dos sintomas, na qualidade do sono, na frequência de pesadelos e nos sintomas de hiperestimulação do TEPT.

Mas nem todos os estudos apontam para melhorias nos sintomas de TEPT. Embora a cannabis possa aliviar a ansiedade, há sinais de que ela também pode causá-la: os mesmos canabinoides que aliviam a ansiedade em doses baixas podem aumentá-la em doses mais altas.

Estão sendo realizados estudos observacionais em pacientes com TEPT que apresentaram efeitos negativos frente ao tratamento com cannabis. Um estudo analisou pacientes com TEPT que se inscreveram em um programa de tratamento de quatro meses. Este apontou que a utilização de cannabis estava associada a sintomas piorados de TEPT, como comportamento mais violento e uso de álcool. Esses autores alertam que a cannabis pode piorar os sintomas desse transtorno ou anular os benefícios de um tratamento intensivo especializado. Obviamente, é importante observar que o uso de álcool está associado a comportamentos violentos e pode contribuir para a violência observada neste estudo, uma vez que ele também foi estatisticamente correlacionado com o uso de cannabis. Também é sabido que a cannabis pode estar, em alguns casos, associada à psicose. Portanto, deve-se ter cautela em pacientes com histórico de alucinações ou delírios.

Ainda assim, os especialistas mostraram-se indecisos quando metanálises maiores dos dados foram realizadas para checar se a cannabis pode ajudar ou prejudicar no TEPT. Tanto na metanálise de 2017 da Academia Nacional de Ciências sobre cannabis como em uma revisão recente sobre TEPT e cannabis de 2018, os autores relataram que simplesmente não há dados suficientes para saber se a cannabis pode ajudar. São necessárias pesquisas clínicas mais profundas antes que possamos compreender como a cannabis afeta o TEPT.

Felizmente, algumas dessas pesquisas já estão em andamento. A Associação Multidisciplinar de Estudos Psicodélicos (MAPS), uma organização sem fins lucrativos que defende a pesquisa terapêutica de cannabis, acaba de realizar o primeiro estudo triplo-cego sobre cannabis consumida através do fumo para Transtornos de Estresse Pós-Traumático. Os resultados do estudo estão sendo analisados ​​e preparados para publicação. Embora ainda não saibamos quais são os resultados, está claro que este estudo analisa quatro potências diferentes da cannabis para determinar se certas misturas de ingredientes ativos da cannabis podem ser mais eficazes (ou contraproducentes) do que outras. Ao aprofundar esse aspecto, os pesquisadores esperam esclarecer por quê alguns casos mostram agravação dos sintomas, enquanto outros apresentam melhora. Pode ser que alguns tipos de cannabis sejam mais adequados que outros neste processo.

Sober a TEPT

Visão Geral

O TEPT, ou Transtorno de Estresse Pós-Traumático, é um tipo específico de transtorno de ansiedade desenvolvido após a vivência ou testemunho de eventos traumáticos, como violência, abuso ou ataque terrorista. O TEPT também pode se desenvolver após experiências perturbadoras, mas não necessariamente violentas, como quando um ente querido morre inesperadamente.

Nem todos que vivenciam um evento traumático desenvolvem o TEPT. Quando várias pessoas experimentam o mesmo evento ou situações semelhantes, algumas podem desenvolver sintomas de TEPT, enquanto outras não apresentam sintomas de longo prazo. Não está claro por que ele ocorre em certas pessoas e não em outras.

Crianças e adolescentes também podem ter TEPT, às vezes como resultado de incidentes que podem parecer pequenos e sem importância para adultos, como assistir a um filme de terror ou ficar constrangido publicamente na escola.

Calcula-se que 117 milhões de adultos em todo o mundo convivam com TEPT e / ou depressão grave, incluindo cerca de 8 milhões de americanos. Na Europa, o TEPT é mais comum nos países do norte do continente, como a Holanda, onde 7,4% dos adultos têm episódios de TEPT pelo menos uma vez na vida. As mulheres são mais propensas a serem diagnosticadas com TEPT do que os homens, numa taxa de cerca de 10% das mulheres contra 4-5% dos homens, embora seja possível que os homens estejam subdiagnosticados devido à pressão cultural para não “desmoronar”.

Sintomas

Os sintomas do TEPT se enquadram em quatro categorias principais:

  • Eventos recordados, também chamados de memórias intrusivas, com lembranças vívidas do evento traumático tão poderosas que você sente como se estivesse experimentando tudo de novo. Eles incluem sonhos perturbadores ou pesadelos e flashbacks involuntários.
  • Evitação, um comportamento que é caracterizado pelo esforço em evitar lugares, atividades, pessoas ou objetos que remetam ao trauma. Também inclui evitar falar sobre o que aconteceu, ou até mesmo pensar sobre isso.
  • Os sintomas de estimulação e reatividade ocorrem quando você se sente estressado, facilmente assustado, irritado e com problemas para dormir. Você se sente assim na maior parte do tempo, não apenas quando acontece algo que aciona uma memória.
  • Pensamentos negativos, humor e sintomas de cognição são pensamentos negativos recorrentes sobre você e / ou outras pessoas, como sentir que você não pode confiar em ninguém ou se sentir culpado pelo trauma. Você também pode se sentir emocionalmente entorpecido, desapegado das pessoas próximas a você, sem esperança, e perder o interesse por coisas das quais costumava gostar.

A maioria das pessoas que desenvolve TEPT apresenta esses sintomas três meses após o evento, mas para outros pode demorar muito mais para aparecer. O TEPT geralmente surge junto com outros transtornos mentais, como depressão e ansiedade.

Crianças e adolescentes mais velhos com TEPT podem se tornar perturbadores, desrespeitosos e / ou agir de forma que prejudica a si mesmos e àqueles que amam, além de apresentar os sintomas listados acima. Eles também podem ter fantasias de vingança.

Crianças muito pequenas, com menos de seis anos de idade, podem:

  • Apresentar sintomas de regressão, como molhar a cama novamente, mesmo depois de ter aprendido a não fazê-lo.
  • Ter uma regressão na fala.
  • Tornar-se apegadas aos pais ou responsáveis de forma incomum ​​e anormalmente ansiosa quando eles partem.
  • Encenar o evento traumático em brincadeiras.
  • Ter sonhos assustadores.
  • Ficar introvertida quando falam ou interagem com ela.
  • Apresentar problemas para fazer amigos.
  • Ir mal na escola.

Quando se tem TEPT, há momentos em que os sintomas são mais fortes e momentos em que desaparecem. Estar em uma situação que lembre o evento traumático pode provocar os sintomas, que são fortes o suficiente para dificultar uma vida normal e podem prosseguir por meses ou até anos.

Quando Procurar um Médico

Se você passou por um evento traumático ou perdeu repentinamente um ente querido, é normal ser afetado por esta doença. Muitas pessoas apresentam alguns ou todos os sintomas do TEPT por um curto período de tempo após o evento, mas, em seguida, o impacto começa a desaparecer. Você deve procurar um médico se sentir pelo menos um de cada uma das principais categorias de sintomas por mais de um mês. Se você tiver pensamentos suicidas a qualquer momento, procure ajuda imediatamente.

Diagnóstico

Para diagnosticar o Transtorno de Estresse Pós-Traumático, seu médico conversará com você sobre seus sintomas e suas experiências recentes. Também podem ser realizados alguns testes físicos, como exames de sangue, para verificar se não há causa médica para seus sintomas.

Causas

A causa imediata do TEPT geralmente está ligada a vivência ou testemunho um evento traumático, violento e/ ou perturbador, mas também pode ocorrer como consequência de escutar indiretamente sobre um evento traumático, como ao tomar conhecimento sobre um ataque violento a um ente querido ou ao assistir cenas duras em filmes ou programas de TV.

Profissionais frequentemente expostos a eventos impressionantes, como policiais, militares ou profissionais de saúde que lidam com casos de abuso infantil, também podem desenvolver TEPT devido à imersão no trabalho diário.

No entanto, apenas uma pequena porcentagem de pessoas que experimentam eventos traumáticos desenvolvem TEPT. Os cientistas não sabem ao certo por que algumas pessoas desenvolvem o transtorno e outras não, mas existem alguns fatores de risco que tornam o TEPT mais provável:

  • Distúrbios de saúde mental existentes, como depressão ou ansiedade.
  • Não contar com um bom sistema de apoio de familiares e amigos próximos.
  • Abuso de álcool ou substâncias químicas.
  • Parentes próximos com distúrbios de saúde mental, como depressão ou ansiedade.
  • Ter sido exposto a eventos traumáticos no início de sua vida, como abuso infantil.
  • Se você foi exposto a trauma por um longo período de tempo, ou o trauma é particularmente intenso, é mais provável que você desenvolva TEPT.
  • O TEPT é particularmente comum entre militares e socorristas, além de pessoas que vivem em zonas de guerra.

Complicações

Se não for tratado, o TEPT pode dominar sua vida. Torna-se difícil ou mesmo impossível sair de casa, manter um emprego ou um relacionamento próximo. O transtorno pode impedi-lo de dormir e causar sérios distúrbios de ansiedade e depressão.

Se você continuar enfrentando eventos traumáticos e não procurar ajuda, poderá desenvolver TEPT complexo, o qual é muito mais difícil de tratar e muito mais impactante na vida. Calcula-se que 27% das pessoas com TEPT cometam suicídio e tenham 13 vezes mais chances de cometer suicídio do que o resto da população.

Tratamento

O TEPT é tratado de diferentes formas, e por vezes é necessário tentar diferentes opções até encontrar a ideal para cada indivíduo. Em primeiro lugar, se alguém com TEPT está continuamente sujeito à violência, é necessário tirá-lo dessa situação.

Uma das opções mais eficazes é tentar impedir que o TEPT se instaure falando sobre os eventos marcantes e obtendo apoio de amigos e familiares. Um profissional de saúde mental também pode ser de grande ajuda, procurando evitar que o trauma leve ao transtorno.

Medicação

Os médicos costumam receitar medicamentos, geralmente antidepressivos ou ansiolíticos, para ajudar a tratar o TEPT. Eles nem sempre são eficazes.

Psicoterapia

A psicoterapia, ou terapia da fala, é um dos pilares do tratamento do TEPT. Isso pode ser feito como terapia de grupo ou individual, e inclui algumas técnicas diferentes:

  • A terapia cognitivo-comportamental (TCC) busca identificar padrões negativos de pensamento empregados na reação ao trauma, e ajuda o paciente a encontrar maneiras de substituí-los por pensamentos saudáveis.
  • A terapia de exposição pode ser utilizada sozinha ou como parte da TCC. Ela buscará expô-lo ao mesmo trauma sofrido, mas de maneira segura e orientada, para que você possa aprender a controlá-lo, assim como suas reações a ele.
  • A dessensibilização e reprocessamento dos movimentos oculares (EMDR) é uma abordagem intensa que combina terapia de exposição com movimentos oculares guiados. Isso o ajudará a processar o que experimentou e a desenvolver formas mais saudáveis ​​de reagir ao evento.

 

Tratamentos Alternativos

Muitas pessoas com TEPT acreditam que tratamentos alternativos ajudam a gerenciar os sintomas. Esses tratamentos incluem:

  • Acupuntura
  • Práticas de mindfulness, como yoga e meditação com atenção ao trauma, as quais incentivam o relaxamento e o foco
  • Hipnose e imagens guiadas
  • Terapia crânio-sacral e / ou massagem terapêutica, para liberar o estresse e a tensão do corpo
Home > Quadros Clinicos > Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT)
322
230
10 min

A Cannabis Pode Ajudar no Transtorno de Estresse Pós-Traumático?

por Emily Earlenbaugh, PhD

Sep 22, 2019

Visão Geral

Cada vez mais pessoas que sofrem de Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) estão recorrendo à cannabis como tratamento. Ela foi legalizada para uso medicinal no tratamento do TEPT em vários países e Estados dos EUA, e cresce continuamente o volume de estudos sobre como ela pode ajudar.

No entanto, a pesquisa ainda está em fase inicial e não há consenso na comunidade médica sobre a eficácia da cannabis em pacientes com TEPT. Apesar disso, muitos pacientes relatam que a cannabis os ajuda não apenas com sintomas primários, mas também no tratamento dos efeitos colaterais do TEPT, como distúrbios do sono e ansiedade.

Além disso, devido ao papel do sistema endocanabinoide na regulação da memória, alguns pesquisadores estão estudando maneiras através das quais a cannabis para uso medicinal poderia ajudar o cérebro a “substituir” memórias traumáticas.

O Sistema Endocanabinoide

O sistema endocanabinoide do corpo é composto por receptores endocanabinoides e canabinoides que atuam juntos para ajudar a manter o equilíbrio natural do corpo (homeostase) e podem afetar funções importantes como a construção da memória, a redução da inflamação, a fome, o controle muscular, o sono, o humor e a resposta à dor.

Os endocanabinoides são moléculas produzidas pelo corpo humano muito semelhantes às substâncias químicas ativas da cannabis, e atuam como mensageiros, enviando sinais aos receptores de canabinoides. Os receptores canabinoides, principalmente CB1 e CB2, que existem em todo o corpo humano, se ligam aos canabinoides para regular as diferentes funções corporais.

Os fitocanabinoides, canabinoides produzidos na planta de cannabis, também interagem com os receptores CB1 e CB2 no sistema endocanabinoide, produzindo muitos dos efeitos medicinais que observamos na planta de cannabis.

Quando se trata de TEPT, a ativação desses receptores pode ser particularmente útil. O sistema endocanabinoide desempenha um papel importante na resposta ao estresse e na construção da memória, que são fatores marcantes no TEPT.

Quando se trata de construção da memória, o receptor CB1 é responsável por um fenômeno chamado “extinction learning”. Esse processo, encontrado nos mamíferos, permite que novas informações substituam memórias antigas. Ao encobrir memórias traumáticas, o corpo pode experimentar novamente os estímulos que possam ter causado uma resposta de pânico anteriormente.

Para pacientes com TEPT e ansiedade extrema, essa função é prejudicada por uma deficiência de endocanabinoides, impedindo-os de encobrir as memórias traumáticas com novas memórias. De fato, os pesquisadores descobriram que o funcionamento endocanabinoide prejudicado após um evento indutor de estresse pode ser determinante em pacientes que desenvolvem distúrbios de ansiedade, a exemplo do TEPT.

Um professor de Psiquiatria de Yale, R. Andrew Sewell, teorizou que o estímulo de CB1 com canabinoides pode não apenas aliviar os sintomas de TEPT, mas também curar ativamente a condição, ao permitir que o extinction learning realmente ocorra e substitua memórias traumáticas. Ainda assim, sua pesquisa sobre o tema está em andamento, e apenas o tempo dirá se será possível demonstrar clinicamente sua teoria.

TEPT e Cannabis

A pesquisa sobre a relação entre cannabis e Transtorno de Estresse Pós-Traumático ainda está em fase inicial e há discordâncias entre os especialistas a respeito de sua aplicabilidade. O atraso se deve em grande parte ao status legal da marijuana e às limitações de pesquisa no passado. No entanto, hoje existem alguns estudos promissores.

Por um lado, as evidências sem base científica mostram que muitas pessoas que sofrem de TEPT usam, ou usaram, cannabis para ajudar a aliviar seus sintomas.

É possível acompanhar o apoio ao uso de cannabis medicinal entre pacientes com TEPT lendo os comentários enviados ao Departamento de Serviços de Saúde do Arizona (EUA), os quais exigem que o distúrbio seja incluído na lista de condições qualificadas para o uso de cannabis. O documento está repleto de citações de pessoas que sofrem de TEPT e que elogiam o uso da cannabis, tais como:

“Descobri que o uso de cannabis era mais benéfico do que os medicamentos prescritos que eu usava anteriormente.”

“A cannabis para uso medicinal me ajudou imensamente a lidar com o meu TEPT.”

“A marijuana é a única coisa que me devolveu minha vida e me capacitou a controlar meus sintomas.”

“Eu sofro de TEPT. Agora uso cannabis e não preciso mais tomar 10 comprimidos por dia. Está sendo transformador e agora posso aproveitar a vida novamente.”

Os cientistas levaram esses relatórios a sério e passaram a estudar as melhorias relatadas por portadores de TEPT. A metanálise de 2015 no American Journal of Health-System Pharmacy, por exemplo,  constatou que “um número substancial de veteranos militares com TEPT usa cannabis ou produtos derivados para controlar seus sintomas, com alguns pacientes relatando benefícios em termos de redução de ansiedade, controle da insônia e melhor capacidade de enfrentamento”. Este estudo também apontou que a cannabis aparentemente diminui a gravidade dos sintomas de TEPT.

É claro que, baseado em relatórios informais, é sempre difícil dizer o que é efeito placebo e o que realmente está ajudando um paciente. Por essa razão, é importante analisar o método utilizado pela pesquisa.

Em primeiro lugar, sabemos que a ingestão de cannabis pode diminuir reações de estresse naqueles que sofrem estímulos estressantes. Em um estudo, os cientistas aplicaram testes de estresse, como fazer cálculos em público ou mergulhar as mãos na água gelada, em indivíduos usuários e não usuários de cannabis. Os primeiros relataram menos estresse durante o teste do que os segundos. Ainda mais interessante, os resultados dos testes mostraram que os usuários de cannabis tinham menos cortisol em seu sistema (um indicador hormonal de estresse) do que aqueles que não usam cannabis.

Isso sugere que pessoas que sofrem de TEPT e que usam cannabis podem estar se beneficiando de respostas reduzidas ao estresse, o que poderia explicar os relatos de redução de sintomas.

Outra pesquisa analisou o uso de cannabis em pacientes com TEPT especificamente, e encontrou resultados semelhantes. Um estudo, por exemplo, descobriu que os sintomas de TEPT em pacientes que usam cannabis foram reduzidos em mais de 75% quando comparados com aqueles que não usavam cannabis.

Outro estudo constatou que o uso de cannabis levou a melhorias estatisticamente significativas na gravidade global dos sintomas, na qualidade do sono, na frequência de pesadelos e nos sintomas de hiperestimulação do TEPT.

Mas nem todos os estudos apontam para melhorias nos sintomas de TEPT. Embora a cannabis possa aliviar a ansiedade, há sinais de que ela também pode causá-la: os mesmos canabinoides que aliviam a ansiedade em doses baixas podem aumentá-la em doses mais altas.

Estão sendo realizados estudos observacionais em pacientes com TEPT que apresentaram efeitos negativos frente ao tratamento com cannabis. Um estudo analisou pacientes com TEPT que se inscreveram em um programa de tratamento de quatro meses. Este apontou que a utilização de cannabis estava associada a sintomas piorados de TEPT, como comportamento mais violento e uso de álcool. Esses autores alertam que a cannabis pode piorar os sintomas desse transtorno ou anular os benefícios de um tratamento intensivo especializado. Obviamente, é importante observar que o uso de álcool está associado a comportamentos violentos e pode contribuir para a violência observada neste estudo, uma vez que ele também foi estatisticamente correlacionado com o uso de cannabis. Também é sabido que a cannabis pode estar, em alguns casos, associada à psicose. Portanto, deve-se ter cautela em pacientes com histórico de alucinações ou delírios.

Ainda assim, os especialistas mostraram-se indecisos quando metanálises maiores dos dados foram realizadas para checar se a cannabis pode ajudar ou prejudicar no TEPT. Tanto na metanálise de 2017 da Academia Nacional de Ciências sobre cannabis como em uma revisão recente sobre TEPT e cannabis de 2018, os autores relataram que simplesmente não há dados suficientes para saber se a cannabis pode ajudar. São necessárias pesquisas clínicas mais profundas antes que possamos compreender como a cannabis afeta o TEPT.

Felizmente, algumas dessas pesquisas já estão em andamento. A Associação Multidisciplinar de Estudos Psicodélicos (MAPS), uma organização sem fins lucrativos que defende a pesquisa terapêutica de cannabis, acaba de realizar o primeiro estudo triplo-cego sobre cannabis consumida através do fumo para Transtornos de Estresse Pós-Traumático. Os resultados do estudo estão sendo analisados ​​e preparados para publicação. Embora ainda não saibamos quais são os resultados, está claro que este estudo analisa quatro potências diferentes da cannabis para determinar se certas misturas de ingredientes ativos da cannabis podem ser mais eficazes (ou contraproducentes) do que outras. Ao aprofundar esse aspecto, os pesquisadores esperam esclarecer por quê alguns casos mostram agravação dos sintomas, enquanto outros apresentam melhora. Pode ser que alguns tipos de cannabis sejam mais adequados que outros neste processo.

Sober a TEPT

Visão Geral

O TEPT, ou Transtorno de Estresse Pós-Traumático, é um tipo específico de transtorno de ansiedade desenvolvido após a vivência ou testemunho de eventos traumáticos, como violência, abuso ou ataque terrorista. O TEPT também pode se desenvolver após experiências perturbadoras, mas não necessariamente violentas, como quando um ente querido morre inesperadamente.

Nem todos que vivenciam um evento traumático desenvolvem o TEPT. Quando várias pessoas experimentam o mesmo evento ou situações semelhantes, algumas podem desenvolver sintomas de TEPT, enquanto outras não apresentam sintomas de longo prazo. Não está claro por que ele ocorre em certas pessoas e não em outras.

Crianças e adolescentes também podem ter TEPT, às vezes como resultado de incidentes que podem parecer pequenos e sem importância para adultos, como assistir a um filme de terror ou ficar constrangido publicamente na escola.

Calcula-se que 117 milhões de adultos em todo o mundo convivam com TEPT e / ou depressão grave, incluindo cerca de 8 milhões de americanos. Na Europa, o TEPT é mais comum nos países do norte do continente, como a Holanda, onde 7,4% dos adultos têm episódios de TEPT pelo menos uma vez na vida. As mulheres são mais propensas a serem diagnosticadas com TEPT do que os homens, numa taxa de cerca de 10% das mulheres contra 4-5% dos homens, embora seja possível que os homens estejam subdiagnosticados devido à pressão cultural para não “desmoronar”.

Sintomas

Os sintomas do TEPT se enquadram em quatro categorias principais:

  • Eventos recordados, também chamados de memórias intrusivas, com lembranças vívidas do evento traumático tão poderosas que você sente como se estivesse experimentando tudo de novo. Eles incluem sonhos perturbadores ou pesadelos e flashbacks involuntários.
  • Evitação, um comportamento que é caracterizado pelo esforço em evitar lugares, atividades, pessoas ou objetos que remetam ao trauma. Também inclui evitar falar sobre o que aconteceu, ou até mesmo pensar sobre isso.
  • Os sintomas de estimulação e reatividade ocorrem quando você se sente estressado, facilmente assustado, irritado e com problemas para dormir. Você se sente assim na maior parte do tempo, não apenas quando acontece algo que aciona uma memória.
  • Pensamentos negativos, humor e sintomas de cognição são pensamentos negativos recorrentes sobre você e / ou outras pessoas, como sentir que você não pode confiar em ninguém ou se sentir culpado pelo trauma. Você também pode se sentir emocionalmente entorpecido, desapegado das pessoas próximas a você, sem esperança, e perder o interesse por coisas das quais costumava gostar.

A maioria das pessoas que desenvolve TEPT apresenta esses sintomas três meses após o evento, mas para outros pode demorar muito mais para aparecer. O TEPT geralmente surge junto com outros transtornos mentais, como depressão e ansiedade.

Crianças e adolescentes mais velhos com TEPT podem se tornar perturbadores, desrespeitosos e / ou agir de forma que prejudica a si mesmos e àqueles que amam, além de apresentar os sintomas listados acima. Eles também podem ter fantasias de vingança.

Crianças muito pequenas, com menos de seis anos de idade, podem:

  • Apresentar sintomas de regressão, como molhar a cama novamente, mesmo depois de ter aprendido a não fazê-lo.
  • Ter uma regressão na fala.
  • Tornar-se apegadas aos pais ou responsáveis de forma incomum ​​e anormalmente ansiosa quando eles partem.
  • Encenar o evento traumático em brincadeiras.
  • Ter sonhos assustadores.
  • Ficar introvertida quando falam ou interagem com ela.
  • Apresentar problemas para fazer amigos.
  • Ir mal na escola.

Quando se tem TEPT, há momentos em que os sintomas são mais fortes e momentos em que desaparecem. Estar em uma situação que lembre o evento traumático pode provocar os sintomas, que são fortes o suficiente para dificultar uma vida normal e podem prosseguir por meses ou até anos.

Quando Procurar um Médico

Se você passou por um evento traumático ou perdeu repentinamente um ente querido, é normal ser afetado por esta doença. Muitas pessoas apresentam alguns ou todos os sintomas do TEPT por um curto período de tempo após o evento, mas, em seguida, o impacto começa a desaparecer. Você deve procurar um médico se sentir pelo menos um de cada uma das principais categorias de sintomas por mais de um mês. Se você tiver pensamentos suicidas a qualquer momento, procure ajuda imediatamente.

Diagnóstico

Para diagnosticar o Transtorno de Estresse Pós-Traumático, seu médico conversará com você sobre seus sintomas e suas experiências recentes. Também podem ser realizados alguns testes físicos, como exames de sangue, para verificar se não há causa médica para seus sintomas.

Causas

A causa imediata do TEPT geralmente está ligada a vivência ou testemunho um evento traumático, violento e/ ou perturbador, mas também pode ocorrer como consequência de escutar indiretamente sobre um evento traumático, como ao tomar conhecimento sobre um ataque violento a um ente querido ou ao assistir cenas duras em filmes ou programas de TV.

Profissionais frequentemente expostos a eventos impressionantes, como policiais, militares ou profissionais de saúde que lidam com casos de abuso infantil, também podem desenvolver TEPT devido à imersão no trabalho diário.

No entanto, apenas uma pequena porcentagem de pessoas que experimentam eventos traumáticos desenvolvem TEPT. Os cientistas não sabem ao certo por que algumas pessoas desenvolvem o transtorno e outras não, mas existem alguns fatores de risco que tornam o TEPT mais provável:

  • Distúrbios de saúde mental existentes, como depressão ou ansiedade.
  • Não contar com um bom sistema de apoio de familiares e amigos próximos.
  • Abuso de álcool ou substâncias químicas.
  • Parentes próximos com distúrbios de saúde mental, como depressão ou ansiedade.
  • Ter sido exposto a eventos traumáticos no início de sua vida, como abuso infantil.
  • Se você foi exposto a trauma por um longo período de tempo, ou o trauma é particularmente intenso, é mais provável que você desenvolva TEPT.
  • O TEPT é particularmente comum entre militares e socorristas, além de pessoas que vivem em zonas de guerra.

Complicações

Se não for tratado, o TEPT pode dominar sua vida. Torna-se difícil ou mesmo impossível sair de casa, manter um emprego ou um relacionamento próximo. O transtorno pode impedi-lo de dormir e causar sérios distúrbios de ansiedade e depressão.

Se você continuar enfrentando eventos traumáticos e não procurar ajuda, poderá desenvolver TEPT complexo, o qual é muito mais difícil de tratar e muito mais impactante na vida. Calcula-se que 27% das pessoas com TEPT cometam suicídio e tenham 13 vezes mais chances de cometer suicídio do que o resto da população.

Tratamento

O TEPT é tratado de diferentes formas, e por vezes é necessário tentar diferentes opções até encontrar a ideal para cada indivíduo. Em primeiro lugar, se alguém com TEPT está continuamente sujeito à violência, é necessário tirá-lo dessa situação.

Uma das opções mais eficazes é tentar impedir que o TEPT se instaure falando sobre os eventos marcantes e obtendo apoio de amigos e familiares. Um profissional de saúde mental também pode ser de grande ajuda, procurando evitar que o trauma leve ao transtorno.

Medicação

Os médicos costumam receitar medicamentos, geralmente antidepressivos ou ansiolíticos, para ajudar a tratar o TEPT. Eles nem sempre são eficazes.

Psicoterapia

A psicoterapia, ou terapia da fala, é um dos pilares do tratamento do TEPT. Isso pode ser feito como terapia de grupo ou individual, e inclui algumas técnicas diferentes:

  • A terapia cognitivo-comportamental (TCC) busca identificar padrões negativos de pensamento empregados na reação ao trauma, e ajuda o paciente a encontrar maneiras de substituí-los por pensamentos saudáveis.
  • A terapia de exposição pode ser utilizada sozinha ou como parte da TCC. Ela buscará expô-lo ao mesmo trauma sofrido, mas de maneira segura e orientada, para que você possa aprender a controlá-lo, assim como suas reações a ele.
  • A dessensibilização e reprocessamento dos movimentos oculares (EMDR) é uma abordagem intensa que combina terapia de exposição com movimentos oculares guiados. Isso o ajudará a processar o que experimentou e a desenvolver formas mais saudáveis ​​de reagir ao evento.

 

Tratamentos Alternativos

Muitas pessoas com TEPT acreditam que tratamentos alternativos ajudam a gerenciar os sintomas. Esses tratamentos incluem:

  • Acupuntura
  • Práticas de mindfulness, como yoga e meditação com atenção ao trauma, as quais incentivam o relaxamento e o foco
  • Hipnose e imagens guiadas
  • Terapia crânio-sacral e / ou massagem terapêutica, para liberar o estresse e a tensão do corpo

Conversation

Condition Index A-Z