Home Planta
Como clonar uma planta de cannabis

Como clonar uma planta de cannabis

Clone de cannabis

O cultivo de cannabis com sementes feminizadas pode produzir resultados excelentes. No entanto, as sementes, por sua natureza, não são confiáveis. Por melhor que seja a reputação de um banco de sementes, não há como ter certeza sobre qual fenótipo as diferentes sementes expressarão. Felizmente, existe uma maneira de eliminar todas as suposições do cultivo: produzir clones de cannabis.

Não, isso não é coisa de ficção científica. Na verdade, a clonagem é uma parte indispensável do cultivo comercial de cannabis. Embora o domínio da clonagem de cannabis exija um pouco de prática, nenhum cultivador se arrependerá de ter adicionado esta técnica ao seu conjunto de habilidades.

A cannabis clone in a rock wool cube
Clone de cannabis em um cubo de lã de rocha (Tyson Anderson / 123rf)

O que é um clone de cannabis?

Um clone de cannabis é exatamente o que imaginamos: uma cópia genética de uma planta de cannabis existente. Para criar um clone, o cultivador corta um galho de uma planta feminina que provou ser uma boa planta-mãe e depois o coloca em um meio de cultivo para ajudar a estimular o desenvolvimento da raiz.

Assim que as raízes estiverem fortes o suficiente, o clone pode ser transplantado para o solo e continuará a crescer e se desenvolver exatamente como a planta original da maconha, expressando as mesmas características da planta-mãe.

Por que alguém desejaria clonar cannabis?

Você pode estar se perguntando por que as pessoas teriam todo o trabalho de cortar e clonar uma planta de cannabis. Afinal, não é mais “natural” começar com sementes de alta qualidade?

Embora a propagação de sementes aconteça de acordo com a Mãe Natureza, a clonagem de uma planta-mãe oferece muitas vantagens, sobretudo pelo fato de que os clones são mais confiáveis do que as sementes. Como esses clones são cópias genéticas da planta-mãe original, os cultivadores sabem o que esperar em termos de potência, aparência, sexo e padrão de crescimento.

O uso de clones de plantas-mãe saudáveis elimina grande parte das suposições a respeito do crescimento. [Observação: mesmo os clones de uma planta feminina podem acabar transformando-se em hermafroditas quando submetidos a muito estresse. É raro, mas acontece.]

Além da confiabilidade, os clones são mais baratos do que as sementes. Em vez de investir em um lote de sementes que podem ou não germinar, podemos cortar os clones gratuitamente. Além disso, os clones não precisam passar por um estágio de germinação ou muda, o que reduz significativamente o tempo de crescimento.

O que os produtores devem procurar em uma planta-mãe?

cannabis em floração
Certifique-se de escolher uma planta forte e saudável como a futura planta-mãe. (The Cannigma / Anthony Travagliante)

A planta-mãe é a planta de cannabis da qual você retirará uma parte. Como seus clones compartilharão o genoma da planta-mãe, você deve escolher a melhor cannabis de seu jardim. Se você selecionar uma linhagem fraca, será impossível remover esses traços indesejáveis de seus clones.

Vejamos algumas regras básicas que devem ser seguidas para garantir que seus clones se tornem plantas fortes e potentes.

1. Certifique-se de que a planta-mãe seja realmente mãe.

Muitos iniciantes cometem o erro de clonar uma planta muito cedo, descobrindo em seguida que se tratava de uma planta masculina. A maneira mais fácil de verificar o sexo das plantas é verificar os nós entre o caule e os galhos da planta. A planta feminina sempre terá estruturas semelhantes a cabelos longos, conhecidas como “estigma”; a planta masculina tem “bolas” de pólen; a hermafrodita apresenta estigma e sacos polínicos.

2. Nunca use uma planta-mãe que foi cultivada a partir de sementes feminizadas.

Embora sejam fantásticas para os cultivadores que não querem lidar com a polinização de plantas masculinas em suas plantações, as sementes feminizadas são terríveis para clones em potencial. Plantas que foram cultivadas a partir de sementes feminizadas têm maior chance de se tornarem hermafroditas em situações de estresse, como poda constante e o longo ciclo vegetativo (falaremos mais sobre isso depois), que afetam a planta-mãe. Queremos ter certeza de utilizar uma planta o mais resistente possível ao estresse.

3. Certifique-se de escolher uma planta forte e saudável como a futura planta-mãe.

As plantas-mãe de alta qualidade devem ter uma aparência saudável e robusta em comparação com outras plantas. A planta-mãe também não deve mostrar sinais de deficiência de nutrientes, mofo ou infestação de pragas. Lembre-se de que você estará fazendo dezenas, senão milhares, de cópias genéticas dessa planta e qualquer característica negativa ou positiva será replicada nos clones.

4. Saiba o que você está cultivando.

Antes de decidir qual planta clonar, é necessário verificar a qualidade do botão da planta-mãe. Se você não tiver 100% de certeza de que a planta-mãe é excelente, é importante que ela passe por um ciclo de floração, para testar a qualidade e a potência do botão que ela produz. Se você quiser economizar tempo no processo, é possível ter uma ideia aproximada do botão que sua planta pode produzir cheirando a variedade da planta. Normalmente, as plantas com um aroma intenso produzem botões mais resinosos.

5. Considere a altura da linhagem antes de escolher uma planta-mãe.

Se você estiver cultivando em locais apertados, deve fazer com que seus clones se ajustem de forma confiável ao espaço de cultivo.

Quando fazer o corte?

Normalmente, os primeiros cortes são feitos na planta-mãe depois de dois ou três meses de fase vegetativa. Tecnicamente, você também poderia fazer um clone durante a fase de floração, mas a maioria dos cultivadores de maconha recomenda utilizar plantas vegetativas. As plantas-mãe costumam ser podadas regularmente e mantidas na fase vegetativa, expostas a pelo menos 18 horas de luz por dia.

Sempre que tiramos um clone da planta-mãe, o corte estará no mesmo estágio de crescimento. Portanto, se pegarmos um clone de uma planta em flor, teremos de trazê-lo de volta ao estágio vegetativo ajustando o ciclo de luz, que expõe a planta ao  estresse desnecessário. Um clone de uma planta em flor também leva mais tempo para desenvolver raízes fortes em comparação com um clone de uma planta em estágio vegetativo. O corte de clones de uma cepa em floração também pode interferir na produção de botões da planta-mãe.

As chances de sucesso serão muito maiores se os clones forem retirados de uma planta vegetativa, especialmente se for a primeira que se clona de uma planta de cannabis,

De que equipamento precisamos para fazer clones?

Agora que você já sabe o básico para escolher uma planta-mãe, é hora de montar seu kit de clonagem. Aqui estão os principais itens que você precisa antes de iniciar a clonagem:

• Uma navalha afiada, bisturi ou tesoura

• Cubos iniciais (de preferência lã de rocha)

• Luzes fluorescentes T5 ou CFL

• Hormônios de enraizamento

• Panos desinfetantes (por exemplo, compressas com álcool isopropílico)

• Luvas

• Copo (s) de vidro esterilizado

• Scanner de pH

• Higrômetro

• Água filtrada ou natural, pH 5,5 – 6,5

• Borrifador

• Cúpula de umidade

• Tapete térmico (opcional)

Observação: a limpeza em todo o processo de clonagem é fundamental. Se você esterilizar suas ferramentas, seu ambiente de trabalho e suas mãos antes, há uma menor chance de seus clones contraírem uma doença indesejada. Este é um bom momento para dar vazão à nossa germofobia interna.

Clone de cannabis
Um dos meios mais populares para os clones são os cubos de lã de rocha. (Tyson Anderson / 123rf)

Qual é o melhor meio de enraizamento para clones?

Os três meios mais populares para os clones são os cubos de lã de rocha, a água e o solo. Embora qualquer um desses sirva para enraizamento, a maioria dos cultivadores recomenda o uso de lã de rocha.

Como a lã de rocha é um meio inerte, não precisamos nos preocupar com a possibilidade de que nutrientes extras sobrecarreguem nossos delicados clones. Os cubos de lã de rocha fornecem um excelente fluxo de ar e ótima retenção de umidade, além de facilitarem a visão da raiz na lateral, o que nos permite acompanhar seu desenvolvimento.

A única desvantagem real associada aos cubos de lã de rocha é que eles exigem preparação: devemos mergulhar os cubos de lã de rocha em água com pH 5,5 por pelo menos duas horas antes de usá-los.

Mas o que há de tão ruim em usar água ou solo? Bem, não há nada de “errado”, mas eles não são tão fáceis de usar quanto a lã de rocha.

Embora seja muito fácil colocar os clones na água, há um risco de contaminação por algas se não tomarmos cuidado. Se não estivermos usando água natural ou filtrada de alta qualidade, também é possível que a água contenha compostos nocivos, como o cloro. Por último, muitos produtores afirmam que leva mais tempo para as raízes se desenvolverem na água do que na lã de rocha.

No caso do solo, é mais difícil avaliar o desenvolvimento da raiz do clone depois de plantá-lo. Além disso, o solo deve ser um solo não fertilizado e com baixo teor de nutrientes. Se usarmos solo fertilizado, há uma grande chance de que os clones não sobrevivam.

Como escolher o melhor corte de clone?

Depois de decidir qual planta-mãe você deseja usar, é hora de escolher o ramo ideal para o seu corte. Para obter os melhores resultados, concentre-se nos galhos próximos à parte inferior da planta que mostram sinais de germinação.

Não há “comprimento ideal” para um corte de cannabis, mas a maioria dos cultivadores diz que o corte deve medir pelo menos 7,5 centímetros. Também é uma boa ideia cortar um galho com pelo menos três nós.

Qual é a melhor maneira de fazer um clone?

Antes de começar o processo de clonagem, verifique se todas as suas ferramentas foram totalmente esterilizadas e se estão todas à mão, para não se atrapalhar na hora do corte.

Existem muitas técnicas diferentes para fazer um clone, mas a maioria requer que se corte o galho escolhido alguns milímetros abaixo do nó mais baixo, em um ângulo de 45°. O motivo pelo qual os produtores preferem cortar nesse ângulo é para maximizar a área da superfície de enraizamento.

Se você quiser ser mais extremo, pode pegar um bisturi e fazer um pequeno corte no meio do caule. Embora não seja necessária, essa etapa adicional pode aumentar a área da superfície de enraizamento do clone, acelerando o desenvolvimento das raízes.

Lembre-se de que, ao cortar um galho, podem se formar bolsas de ar ali. Para minimizar esse risco, prepare alguns copos de água com pH corrigido para colocar os cortes.

Depois de aplicar hormônios enraizantes (em pó, líquido ou gel) e colocar os clones em seu meio preferido, é bom cortar as folhas mais baixas e as pontas das folhas superiores, o que ajudará a planta a redirecionar sua energia para o desenvolvimento de raízes saudáveis.

Cuidando dos clones-bebês

Os clones têm melhor desempenho em ambientes quentes e úmidos, o que explica por que os produtores recomendam o uso de uma cúpula de umidade e uma almofada de aquecimento. Durante as primeiras 48 horas, os clones crescem em um ambiente com umidade de 90 a 95%. Depois de dois dias, você pode ajustar a umidade de volta para a faixa de 80%. Quanto à temperatura, é melhor manter o ambiente em cerca de 21 C.

A cúpulas de umidade também ajudam a controlar a quantidade de água que suas plantas estão recebendo. Sempre que notar que a umidade está caindo abaixo dos níveis recomendados, borrife um pouco de água não clorada.

Se você não estiver usando uma cúpula de umidade, deve borrifar seus clones algumas vezes por dia. No entanto, é melhor colocar uma “cúpula caseira” sobre seus clones se for sair de casa por um bom tempo. Veja se você tem recipientes de plástico transparentes à mão para ajudar a reter a umidade enquanto estiver no trabalho e lembre-se de limpá-los e esterilizá-los bem antes do uso.

Em termos de iluminação, é melhor usar lâmpadas fluorescentes de baixa intensidade como CFL ou T5. Embora nunca seja recomendado o uso de HID, você pode experimentar modelos de 400 W, com a condição de que eles fiquem longe dos clones. Os produtores costumam manter as luzes acesas 18-19 horas por dia.

Quanto tempo leva para os clones criarem raízes?

Não há um tempo definido, mas a maioria das cepas leva cerca de 1-2 semanas. No entanto, ainda sem fazer uso de macetes como a cúpula de umidade ou hormônios de enraizamento, você deve notar raízes em algum ponto, mesmo que demore alguns meses.

Clone de cannabis enraizando em lã de rocha
Vista em corte transversal de um clone de cannabis enraizando em lã de rocha. (Radek Vyskocil / 123rf)

Como transplantar clones?

Assim que você notar raízes de pelo menos 3 cm em seu clone, é hora de fazer o transplante. Mas antes de ficar muito animado, lembre-se de higienizar tudo. Assim como no primeiro corte, a área de trabalho precisa estar 100% esterilizada.

Para obter melhores resultados, use luvas durante todo o processo de transplante. Além disso, manuseie seu clone com extremo cuidado, como se fosse uma muda.

Regue o solo com antecedência e escorra o excesso de água. Em seguida, faça um buraco no solo com tamanho suficiente para cobrir completamente as raízes do clone (cerca de 2,5 cm). Depois, retire cuidadosamente o clone do meio e cubra as raízes no solo.

Dica final: não tenha medo de errar

Se você é novo na clonagem, não se martirize se alguns clones morrerem no processo. Na verdade, até os produtores mais experientes perdem alguns clones da planta-mãe. Para obter os melhores resultados, faça o maior número de cortes possível, respeitando seu espaço de cultivo. Quanto mais clones você tiver, maior será a chance de que alguns deem certo.

Outro ponto essencial é verificar a presença de fungos ou doenças durante o processo de crescimento da raiz. Como os clones precisam de um ambiente úmido para crescer, é comum o surgimento de mofo nessas áreas. Sempre que você detectar um sinal de infestação de fungos, remova as plantas doentes o mais rápido possível.

Com um pouco de prática e persistência, você logo estará clonando como um profissional!

Thanks for your feedback!

Sign up for bi-weekly updates, packed full of cannabis education, recipes, and tips. Your inbox will love it.