Home Planta Cultivo da cannabis: como evitar mofo, fungo e bactéria

Inscreva-se

Home > Planta > Cultivo da cannabis: como evitar mofo, fungo e bactéria
246
7 min

Cultivo da cannabis: como evitar mofo, fungo e bactéria

Este artigo foi publicado originalmente na Analytical Cannabis e aparece aqui sob autorização

Quando não são devidamente rastreados durante o cultivo, bactérias e fungos que ameaçam a saúde humana podem estar presentes até mesmo em produtos legais de cannabis. Um estudo de 2017 conduzido na Califórnia revelou a presença de patógenos fúngicos e bacterianos em 90% das plantas testadas. 

Patógenos comuns da cannabis, incluindo o E.coli, Pseudomonas, Aspergillus, Botrytis cinerea e Fusarium oxysporum, podem causar doenças graves, especialmente em pessoas com sistema imunológico deficiente. É por isso que cultivadores de cannabis, tanto ao ar livre quanto em ambiente interno e controlado, precisam estar atentos para manter a planta protegida de fungos, bactérias e de outros elementos prejudiciais. Para isso, algumas empresas optam por cultivar suas safras em cleanrooms, ou seja, salas especiais.

Cleanroom com cultivo de cannabis melhora rendimento
A configuração correta de um cleanroom melhora o rendimento anual e também reduz significativamente as oportunidades de contaminação das plantas. (The Cannigma / Anthony Travagliante)

Indoor

Cultivadores em ambientes fechados podem controlar a temperatura do ambiente, umidade, intensidade da luz e os níveis de CO2 para obter as melhores taxas de crescimento. Preparar um ambiente controlado com as condições ideais de cultivo não apenas melhora o rendimento como também pode reduzir significativamente o avanço de fungos, bactérias ou doenças na cannabis. Os cultivadores indoor podem interromper a polinização cruzada imediatamente, e até mesmo diminuir o desvio genético entre as plantas. Dessa forma, pode-se manter a consistência de uma variedade, o que é bem mais difícil quando o cultivo é realizado outdoor.

Desafios do cultivo indoor

A combinação correta de umidade, temperatura e luz pode ajudar no crescimento da cannabis – e também de suas pragas. Por exemplo, quando a umidade chega a mais de 80% dentro do ambiente, o risco de infecções por fungos, bactérias e vírus é maior. Quando ela cai para abaixo de 70%, a planta pode perder rendimento devido à queda de eficiência fotossintética.

No entanto, mesmo quando os níveis de umidade são os ideais, praticamente nenhuma cannabis será aprovada em um teste bacteriológico caso não tenha sido cultivada em um ambiente devidamente equipado ou tenha sido tratada, após o crescimento, com irradiação.

Por outro lado, manter a sala iluminada, na temperatura e umidade certa, ventilada e filtrada, consome muita energia. 

Cleanrooms

Cultivo de cannabis em cleanroom

Os cultivadores em ambiente fechado estão começando a utilizar cada vez mais a tecnologia a seu favor. Cleanrooms são espaços preparados para medir e controlar a quantidade de partículas em seu interior, controlando a pressão do ar e utilizando filtros especiais. As tecnologias utilizadas já são comuns na indústria aeroespacial e farmacêutica para a atender a regulamentações e garantir a qualidade dos produtos. Normalmente, elas são construídas para proteger os trabalhadores de produtos químicos nocivos e estéreis da contaminação.

Teoria de trabalho

Embora estas instalações tenham sido projetadas para plantar cannabis de forma limpa e segura, as empresas ainda precisam testar seus produtos constantemente para patógenos. No começo deste ano, a Cannasure, uma empresa israelense, descobriu que a sua cannabis continha menos contaminantes e microorganismos do que o nível comercial permitido, o que permitiu que este lote não fosse submetido a qualquer tratamento de radiação. 

No entanto, os lotes seguintes não estavam limpos o bastante para serem submetidos à mesma  exceção. Como o consumo de energia de uma instalação como esta pode ser muito alto, certamente poucos na indústria utilizarão este modelo, seja por razões econômicas, seja por quesitos ambientais.

Estufas ao ar livre

Cultivo de cannabis outdoor, em estufa ao ar livre
Cultivo de cannabis outdoor. (Kristijan Aranjos/123rf)

Os produtores de cannabis que escolhem fazer o cultivo em estufas ao ar livre contam com um método de baixo custo e consumo de energia, uma vez que podem utilizar tudo aquilo que a natureza fornece: calor, a luz e a água. A vantagem deste tipo de cultivo provém do fato de o espaço fechado da estufa reter a umidade e controlar o vento, permitindo que o calor do sol passe pelos paineis e chegue às plantas. Também atua afastando pragas e animais.

Estas estufas também utilizam alguns acessórios como resfriadores artificiais, aquecedores e armações para controlar a temperatura durante os períodos do dia e da noite. Umidificadores e nebulizadores podem ser utilizados para controlar a umidade. Uma estufa também pode apresentar iluminação artificial e controladores de iluminação para os períodos de excesso ou falta de luminosidade. Desta forma, conseguem aumentar em duas ou três vezes, algumas vezes até mais, o número de safras ao ano.

Desafios das estufas ao ar livre

Os cultivadores de cannabis ao ar livre enfrentam desafios particulares. As doenças das plantas são um problema sério e recorrente para os produtores de cannabis em estufas, principalmente nas folhas. A alta umidade desenvolvida em uma compacta área de crescimento estabelece um conjunto muito conveniente de condições para o ataque de mofo, bolor e outros patógenos da folhagem. 

As áreas geográficas que passam por mudanças drásticas de temperatura e de umidade entre o dia e a noite também podem promover a produção de bolor no material vegetal da planta.

Grande parte dos cultivadores criam um plano de manejo integrado de pragas (PMI) que inclui a escolha de uma genética resistente, monitoramento e cuidados manuais ou com biopesticidas.

Controle integrado de pragas

Pulverização com spray de inseticida em cannabis
Aplicação de spray com pesticida em plantas de cannabis. (encierro/123rf)

Para manter as estufas a salvo o máximo possível, os cultivadores precisam integrar etapas na sua rotina de trabalho. A primeira é fazer rondas diárias de inspeção para localizar ataques visíveis. Grandes plantações são divididas com uma grade e as plantas podem ser marcadas para rastrear o progresso de uma doença ou seu tratamento. Se um patógeno for encontrado, métodos de controle físico como temperatura, sanitização, ventilação, limpeza do ar ou até mesmo irradiação de luz ultravioleta-C (UV-C) podem ser aplicados. 

Pesquisas do departamento norte-americano de agricultura descobriram que o tratamento com UV-C a 20 microwatts por centímetro quadrado, seguido por um período de escuridão de quatro horas, pode controlar o míldio nos morangos. Ele é realizado uma ou duas vezes por semana durante o período de 20 a 60 segundos.

Genéticas

A escolha da genética certa da cannabis pode ajudar a vencer as batalhas contra os patógenos, especialmente se o cultivo for ao ar livre. As variedade mais resinadas são menos suscetíveis ao mofo. Já flores pequenas e finas são resistentes ao mofo, o qual costuma infestar em especial as maiores. 

No entanto, a demanda do mercado pode fazer com que esta não seja a prioridade dos produtores. Flores grandes, com alto teor de canabinoides e ricas em terpenos, são valorizadas. E, assim, elas podem se tornar mais vantajosas para os produtores do que variedades menos suscetíveis.

Imunidade

A imunidade não é apenas uma questão de genética: ela também pode ser induzida. Insetos, micróbios, produtos químicos e conjuntos específicos de condições físicas podem iniciar respostas protetoras na planta que produzem metabólitos. Estes, por sua vez, podem ajudar a combater infecções e a disseminação de patógenos. Joaninhas, ácaros e tripes podem ajudar a controlar o ataque de insetos. Bacillus subtilis e Bacillus amyloliquefaciens são exemplos de micróbios que podem ser aplicados para ajudar a controlar o mofo e o bolor. Fosfato de potássio e sílica são produtos químicos que ajudam nessa tarefa.

Tratamentos pós-crescimento

Grande parte dos patógenos encontrados na cannabis são comuns. Seu efeito no ser humano saudável não é grave. Mas, quando ingeridos por pessoas com sistema imunológico deficiente, podem causar graves problemas. Portanto, é de extrema importância contar com tratamentos eficazes contra patógenos, especialmente no preparo da cannabis para fins medicinais.

Muitos fabricantes tratam sua cannabis medicinal com irradiações de raios beta e gama após o crescimento para combater patógenos. Recentemente, plasma frio também está sendo testado. A cannabis não é o único produto que goza desse privilégio: alimentos, remédios e produtos importados também costumam ser submetidos a essas radiações. Embora as radiações gama e beta sejam comumente usadas, seus efeitos sobre a cannabis são apenas parcialmente compreendidos. Um novo estudo israelense ilustrou o quão eficazes podem ser esses tratamentos por radiação.

Gama x Beta x Plasma Frio

Usando intensidades de radiação entre 7,5 a 8,4 mil quilos Gray (KGy), a radiação gama destruiu completamente todos os fungos (cerca de um milhão de unidades formadoras de colônias (UFC)) nas amostras intocadas e reduziu a quantidade de mofo de 112.201.845 UFC para 75,9 UFC nas plantas contaminadas.

As radiações beta, que usam um acelerador de elétrons em lugar do material radioativo usado nas técnicas gama, são as mais comuns na indústria de cannabis medicinal israelense atualmente. Em estudo recente, esta técnica limpou completamente o mofo de todas as amostras (de 112.201.845 CFU a 0 CFU). Já o plasma reduziu a contagem de UFC nas amostras não contaminadas para quase zero, mas deixou entre 7.000 a 200.000 UFC nas amostras contaminadas.

Apesar disso, os pesquisadores concluíram que os tratamentos com feixe de elétrons e plasma frio ainda possuem um potencial maior do que a radiação gama, uma vez que são mais baratos e mais simples de aplicar. Além disso, são igualmente eficazes para esterilização da cannabis usada para a produção de remédios.


O plasma frio é geralmente gerado por meio de uma forte corrente elétrica em um gás condensado sob pressão atmosférica ou subatmosférica. O tratamento também pode ajudar a reduzir os níveis de contagem de pesticidas nas inflorescências.

Conclusão

Montar um cleanroom para cultivo de cannabis pode melhorar o rendimento consideravelmente, em termos de qualidade e quantidade. O cultivo em ambientes fechados também é mais eficaz contra a polinização cruzada e os desvios genéticos que podem modificar as cepas. Dito isso, eles nem sempre fornecem inflorescências que passam os níveis de limpeza exigidos por vários padrões globais. As instalações em ambientes fechados também estão se mostrando uma grande consumidora de energia em países com uso recreativo livre. 

Os cultivos em estufa apresentam menores custos, usam menos energia do que os cultivos internos e oferecem mais possibilidade de controle de pragas e doenças. Embora nestes ambientes o controle não seja tão facilitado como no cultivo interno, a temperatura, umidade, iluminação, movimento do ar e filtragem são mais facilmente gerenciáveis em estufa do que em cultivos internos. 

No caso de produtos para estufas externas e produtos para cultivos internos que ainda precisam ser limpos, as irradiações pós-crescimento provavelmente ainda serão necessárias. Os tratamentos de radiação beta e plasma frio são escolhas inteligentes, dada sua eficiência comprovada e relativa acessibilidade. Os tratamentos de radiação gama são muito caros e complicados, embora seus resultados sejam comprovadamente muito eficientes, mesmo contra casos extremos de contaminação.

Leave a comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.

By clicking "Post Comment" you agree to our Privacy Policy and to joining The Cannigma mailing list.

Você Há de Gostar

A Cannabis É Um Calmante?
A Cannabis É Um Calmante?
CBD para aliviar abstinência de crack e...
CBD para aliviar abstinência de crack e cocaína?
Associações canábicas: porta de entra...
Associações canábicas: porta de entrada legítima ao universo da cannabis medicinal
Estudo: cannabis na gravidez pode estar ...
Estudo: cannabis na gravidez pode estar associado a autismo em bebês

Mais Artigos

A Cannabis É Um Calmante?
A Cannabis É Um Calmante?
CBD para aliviar abstinência de crack e...
CBD para aliviar abstinência de crack e cocaína?