Home Quadros Clinicos Concussão e Trauma Cerebral

Inscreva-se

Home > Quadros Clinicos > Concussão e Trauma Cerebral
540
7 min

A Cannabis Pode Ajudar na Lesão Cerebral Traumática?

por Philip Ghezelbash

Jan 14, 2020

A lesão cerebral traumática é uma das principais causas de morte, incapacitação e comprometimento cognitivo no longo prazo. Como em muitas outros quadros clínicos, os pesquisadores têm estudado o quanto a cannabis poderia ajudar nesses casos. Sabe-se que os endocanabinoides são neuroprotetores e isso levou a pesquisas para compreender se eles podem diminuir os resultados adversos dessas lesões.

Os endocanabinoides são naturalmente liberados como parte da reação de proteção do corpo à lesão cerebral. O consumo de tetrahidrocanabinol (THC) e canabidiol (CBD) pode ajudar a imitar as propriedades neuroprotetoras dos endocanabinoides liberados naturalmente como resposta ao trauma cerebral.

Existem alguns estudos observacionais promissores e pesquisas pré-clínicas sobre a eficácia da cannabis na lesão cerebral traumática. No entanto, os dados disponíveis de ensaios clínicos são menos conclusivos e apresentam limitações.

À medida que os canabinoides para uso medicinal legais se tornam mais prevalentes, mais ensaios clínicos devem ajudar a determinar a eficácia da cannabis para lesões cerebrais traumáticas.

Como Funciona a Cannabis em Concussões e Trauma Cerebral

O sistema endocanabinoide existe em todos os vertebrados e ajuda a regular funções cruciais como sono, dor e apetite. O corpo produz seus próprios canabinoides, que modulam e ativam suas diferentes funções. Mas, como o próprio nome sugere, o sistema endocanabinoide também pode ser modulado e ativado por canabinoides encontrados na planta de cannabis, denominados fitocanabinoides. Como todo o sistema foi descoberto somente nos últimos 30 anos, os cientistas ainda têm muito a aprender sobre as inúmeras maneiras pelas quais a cannabis impacta o corpo humano.

Estudos pré-clínicos se concentraram em como estimular o sistema endocanabinoide para amenizar as sequelas da lesão cerebral traumática. Esses estudos nos deram ideia sobre como estes dois estão conectados.

Com base nesses estudos, realizados em modelos animais, há indícios de que o sistema endocanabinoide está envolvido no processo de recuperação pós-lesão.

Estudos Médicos Sobre Lesão Cerebral Traumática e Cannabis

Uma análise realizada ao longo de três anos constatou que o THC estava associado a uma menor chance de morte como resultado de lesão cerebral traumática; a mortalidade no grupo que utilizou THC foi de 2,4%, e a do grupo não THC foi de 11,5%.

Em um estudo com camundongos, o THC reduziu a liberação de glutamato, um neurotransmissor comum no cérebro. Sabe-se que a sinalização excessiva de glutamato é um dos principais responsáveis pela a morte celular pós-lesão cerebral.

Embora os dados de análises e ensaios pré-clínicos sejam promissores para a cannabis, os resultados de ensaios clínicos são ambivalentes e também apresentam limitações, a exemplo do uso exclusivo de canabinoides sintéticos.

Em um ensaio clínico randomizado, duplo-cego, os pesquisadores testaram a eficácia do canabinoide sintético dexanabinol em pacientes com lesão cerebral traumática grave com idades entre 16 e 65 anos. Ambos os grupos experimentaram eventos adversos semelhantes, típicos de lesão cerebral traumática. O grupo tratado com dexanabinol apresentou resultados neurológico melhores, da ordem de 31% (após três meses) e 14% (após seis meses).

Outro estudo clínico randomizado controlado por placebo também explorou os efeitos do dexanabinol na lesão cerebral traumática grave. Os resultados após seis meses não mostraram diferenças significativas entre os dois grupos, e as taxas de mortalidade não diferiram significativamente.

Em outro estudo controlado randomizado, os pesquisadores analisaram os resultados em pacientes que receberam o canabinoide sintético KN 38-7271 até 5 horas após o trauma: as taxas de sobrevivência foram maiores nesse grupo em relação ao placebo.

No geral, existem mais evidências positivas do que negativas a respeito da capacidade da cannabis de diminuir os resultados adversos da lesão cerebral traumática. No entanto, mais ensaios clínicos são necessários antes que os pesquisadores cheguem a uma conclusão. Infelizmente, segundo o site ClinicalTrials.gov, não há ensaios clínicos em andamento ou previstos que analisem a cannabis e as lesões cerebrais traumáticas.

Efeitos Colaterais

Para a maioria das pessoas, a cannabis é bem tolerada. Os efeitos colaterais comuns da planta incluem sonolência, fadiga, boca seca e alterações de apetite.

Embora a cannabis tenha se estabelecido como um medicamento eficaz para muitas condições, há desvantagens que devem ser mencionadas.

  • Os efeitos psicoativos do THC podem causar efeitos colaterais como comprometimento da memória, ansiedade e euforia.
  • O desenvolvimento da psicose pode ocorrer, especialmente em indivíduos geneticamente vulneráveis.
  • O uso crônico e excessivo de cannabis durante a adolescência tem sido associado a déficits cognitivos no longo prazo.

A dependência de cannabis (também conhecida como transtorno de uso de cannabis) ocorre em aproximadamente um em cada dez usuários. Usuários excessivos de cannabis ​​que iniciam em idade jovem parecem ser particularmente suscetíveis ao vício, devido à plasticidade do cérebro em desenvolvimento.

Isenção de Responsabilidade

O conteúdo do site The Cannigma tem fins puramente informativos. Não substitui aconselhamento médico profissional, diagnóstico ou tratamento. Sempre consulte um médico profissional experiente com conhecimento em cannabis antes de iniciar um tratamento.

Sobre Concussão e Trauma Cerebral

Visão Geral

A lesão cerebral traumática, ou TCE, ocorre quando seu cérebro é afetado por um golpe repentino e agudo, seja diretamente na cabeça seja no corpo. Isso danifica as células cerebrais de diferentes maneiras, as quais geralmente são temporárias. No entanto, podem ser permanentes, dependendo da gravidade da lesão.

“Concussão” é o diagnóstico usado para descrever uma forma leve de TCE, em que as células cerebrais são afetadas temporariamente. A maioria das pessoas se recupera completamente de uma concussão, muito embora ela possa causar efeitos graves.

O TCE moderado e grave causa danos físicos às células cerebrais, o que pode levar a complicações no longo prazo, como alterações de personalidade, incapacidade permanente, convulsões, coma irreversível ou até mesmo morte.

As pessoas que praticam muitos esportes de contato correm um risco elevado de sofrer concussão; já o TCE moderado e grave tende a ser resultado de acidentes graves, como colisão de veículos, crimes violentos ou ferimentos à bala na cabeça. Em todo o mundo, 69 milhões de pessoas sofrem uma TCE todos os anos, com muito mais ocorrências em países de baixa a média renda do que em países de alta renda. Na Ásia e na África, o TCE é causado principalmente por acidentes de trânsito; já na América do Norte, as quedas representam quase metade de todas as visitas ao departamento de emergência relacionadas ao TCE.

Sintomas

Os sintomas de lesão cerebral traumática podem variar bastante, e demorar alguns dias ou até semanas para surgir. Algumas pessoas que têm TCE leve (ou seja, uma concussão) nem a percebem.

Os sintomas de concussão incluem:

  • Dor de cabeça que não desaparece e não melhora quando você toma analgésicos
  • Tontura ou “ver estrelas”
  • Perda temporária da consciência
  • Náusea e/ou vômito
  • Sensação de confusão ou atordoamento
  • Amnésia que pode fazer com que se esqueça o que causou a concussão
  • Fala arrastada
  • Visão dupla ou turva
  • Mover-se desajeitadamente e apresentar problemas de equilíbrio

 

Você também pode ter dificuldade para dormir e se concentrar, se irritar mais facilmente do que o normal, sofrer algumas alterações de personalidade e sentir distúrbios sensoriais como gostos e cheiros estranhos. Esses sintomas geralmente levam mais tempo para se desenvolver, aparecendo alguns dias ou semanas depois.

 

É particularmente difícil detectar os sintomas de uma concussão em bebês e crianças pequenas. Portanto, preste atenção em:

  • Mudanças de comportamento
  • Choro incomum
  • Mudanças na concentração e hábitos de sono
  • Perda de interesse por pessoas e/ou objetos

 

Os traumas cerebrais moderados e graves podem incluir todos os sintomas de uma concussão, bem como:

  • Perda de consciência por longos períodos de tempo
  • Dificuldade em acordar ou em ficar acordado
  • Convulsão
  • Vômitos repetidos
  • Sangue ou líquido claro drenando do nariz ou orelhas
  • Dilatação das pupilas em um ou nos dois olhos
  • Inchaço ou hematomas ao redor dos olhos ou atrás das orelhas
  • Dificuldade para caminhar
  • Fraqueza ou dormência nos dedos das mãos e dos pés
  • Extrema confusão, agitação ou agressividade

 

É importante ressaltar que os sintomas de concussões leves podem ser discretos e sutis; no entanto, podem persistir por um período prolongado de tempo, sem tratamento. Por isso, é importante reconhecer os sintomas e padrões.

Diagnóstico

Qualquer golpe severo na cabeça deve ser levado a sério e precisa de atenção médica. Mesmo uma concussão ou um TCE leves podem ter efeitos comprometedores. Se alguém apresentar sintomas de TCE moderado a grave, precisará de cuidados médicos emergenciais.

Você também poderá fazer testes cognitivos para verificar sua memória, concentração e capacidade de lembrar informações.

Dependendo dos sintomas, você pode fazer uma ressonância magnética ou tomografia computadorizada para verificar se há sangramento e danos no cérebro. Os médicos às vezes usam um monitor de pressão intracraniana para verificar se o tecido cerebral está inchado e se há aumento de pressão intracranial, o que pode causar mais danos.

Se você estiver inconsciente, os médicos usarão a Escala de Coma de Glasgow para testar a gravidade do seu TCE. Isso atribui pontos em uma escala de 3 a 15, verificando itens como a capacidade de mover olhos e membros, respostas verbais e resposta a pressão ou dor. Pontuações mais altas significam que a lesão é menos grave.

Causas

Seu cérebro é um órgão macio e gelatinoso, amortecido pelo líquido cefalorraquidiano e protegido pelo crânio. No entanto, se você sofrer um duro golpe na cabeça ou no corpo, isso pode fazer seu cérebro deslizar e se chocar contra as paredes ósseas do crânio.

As causas mais comuns de todos os tipos de TCE são:

  • Acidentes de trânsito, incluindo acidentes de carro, de bicicleta ou atropelamento, os quais podem fazer com que seu corpo bata de um lado para o outro de forma a sacudir o cérebro dentro do crânio.
  • Lesões esportivas, principalmente em atividades como futebol americano e boxe; futebol, hóquei, beisebol e qualquer esporte de alto impacto também podem causar TCE.
  • As quedas são uma causa comum de TCE em bebês, crianças pequenas e em idosos.
  • Violência, como ferimentos de bala na cabeça, violência doméstica, agressão e abuso infantil também podem resultar em TCE. O abuso contra bebês e crianças conhecido como “síndrome do bebê sacudido” é outra causa de TCE.
  • Explosões podem causar TCE, embora não esteja claro de que forma ou por quê.

Tratamento

O tratamento da concussão ou do TCE leve geralmente envolve bastante descanso. Seu cérebro se recupera por si só, mas você pode permanecer sob observação no hospital por alguns dias para garantir o não agravamento de seus sintomas. Você poderá esperar um pouco antes de voltar ao trabalho ou à escola,  provavelmente e muito até retomar práticas esportivas.

O tratamento emergencial para o TCE envolve o fornecimento de oxigênio quando necessário, além de cuidados para evitar danos adicionais à cabeça e ao pescoço.

Medicação

Se você acabou de sofrer uma lesão grave que resultou em TCE com risco de vida, deverá receber diferentes tipos de medicação para evitar a ocorrência de danos adicionais ao seu cérebro. Entre elas:

  • Diuréticos, os quais reduzem a quantidade de líquido em seus tecidos. Isso pode ajudar a reduzir a pressão no cérebro.
  • Medicamentos anticonvulsionantes, uma vez que pacientes que apresentam TCE moderado ou grave correm o risco de convulsões durante a primeira semana pós-lesão.
  • Drogas indutoras de coma para colocá-lo em coma temporário, uma vez que dessa maneira seu cérebro precisará de menos oxigênio e poderá se recuperar mais rapidamente.
  • Cirurgia para aliviar a pressão no crânio, remover hematomas (sangramentos) e/ ou reparar fraturas ósseas.

 

Reabilitação

Após um TCE grave, você provavelmente precisará de reabilitação para ajudá-lo a reaprender a andar, falar e/ou realizar atividades diárias básicas.

Sua equipe de reabilitação pode incluir fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, uma enfermeira de reabilitação e um neuropsicólogo. Esse processo pode começar ainda durante sua internação no hospital, mas deverá ser continuada e concluída em regime ambulatorial depois que você deixá-lo.

Leave a comment

By clicking "Post Comment" you agree to our Privacy Policy and to joining The Cannigma mailing list.

Condition Index A-Z